Balanço positivo para o automobilismo

O balanço dos pilotos brasileiros no Exterior e do automobilismo brasileiro foi positivo em 2003. Mesmo sem repetir a performance técnica de 2002, três fatos encerraram o ano com boas perspectivas para a Fórmula 1: a possibilidade de uma renovação do contrato de Rubinho Barrichello com a Ferrari; o primeiro teste, ainda que discreto, de Nelsinho Piquet na equipe Williams, e a confirmação de Felipe Massa na Sauber.Nas categorias de base, os melhores resultados brasileiros foram conquistados na Fórmula 3, principalmente com o título da versão alemã pelo paulista João Paulo de Oliveira e o terceiro lugar na Inglaterra, alcançado por Nelsinho Piquet em seu primeiro ano de automobilismo europeu.Destaque também para o título de Ricardo Maurício na ainda limitada F-3 espanhola e o quarto lugar de Fábio Carbone no novo campeonato europeu da categoria. Em Macau, andando mais do que Nelsinho Piquet, Carbone provou que correu em uma categoria forte. Na Coréia do Sul, Nelsinho deu o troco e chegou na frente. O paranaense Augusto Farfus também não tem do que reclamar, depois de vencer com categoria o Europeu de Fórmula 3000, categoria que serviu de passaporte para Felipe Massa chegar à Fórmula 1.Com Felipe Massa, a Fórmula 1 ganhará mais interesse no Brasil. E, renovando seu contrato, Rubinho ficará mais à vontade para tentar um resultado melhor em 2004. Piquet, por sua vez, poderá definir seu futuro na Williams, tornando-se primeiro piloto de testes e, depois, ficando com uma das vagas da equipe entre 2005 e 2006.No automobilismo norte-americano, o melhor momento foi a conquista das 500 Milhas de Indianápolis por Gil de Ferran. Mas Tony Kanaan e Hélio Castro Neves, que chegaram até a última corrida da Indy Racing League com chances de vencerem o campeonato, também merecem destaque. Kanaan, estreante na IRL, venceu em Phoenix e deu excelente visibilidade para a nova equipe Andretti Green e para o patrocinador, a rede 7 Eleven. Helinho foi pole nas 500 Milhas, ganhou duas corridas, mas perdeu o companheiro de equipe, Gil de Ferran, que decidiu abandonar o automobilismo no fim deste ano.No Brasil, a Stock Car renovada atraiu mais público aos autódromos em uma das mais equilibradas disputas de sua história. A vitória de David Muffato na última corrida do campeonato, em Interlagos, premiou o mais regular e combativo piloto da temporada. E agora serão todos contra ele em 2004. A Fórmula Renault estabeleceu-se de vez como a categoria base de monopostos e, no fim do ano, a CBA abriu ótima perspectiva, criando uma categoria escola, simples e barata - a Fórmula Brasil, que estará nas pistas em 2004, atraindo os pilotos recém-saídos do kart.Também a Truck e as competições off road mantiveram o ritmo de crescimento. A Mitsubishi Motorsports continua quebrando recordes de inscritos nas competições de regularidade e velocidade e as provas do Brasileiro de Cross Country superaram as expectativas, com ótimo índice técnico e boa visibilidade na mídia. As competições nas estradas de terra do Brasil chegaram para ficar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.