BAR vira alvo de críticas em Sepang

A equipe sensação do campeonato de 2004, BAR-Honda, segunda colocada entre os construtores, recebeu fogo cruzado nesta quinta-feira, no circuito de Sepang, por ter chamado seus dois pilotos, Jenson Button e Takuma Sato, para os boxes, antes da bandeirada, para usufruir do regulamento que, nesse caso, lhe permite trocar o motor. "Não imaginei que alguém pudesse fazer isso, agir deliberadamente, contra o interesse do esporte, por isso mudamos o texto do regulamento", explicou Charlie Whiting, delegado de segurança da F-1. "Uma vergonha", definiu Flavio Briatore, da Renault.Denis Chevrieu, engenheiro-chefe de motores da Renault, foi além: "A FIA faz essas regras com textos subjetivos para poder decidir de acordo com sua conveniência." O maior adversário da BAR-Honda, a Toyota, pegou pesado: "É ridículo, nós achamos que quem está aqui na Fórmula 1 é profissional, mas não é bem assim", falou Mike Gascoyne, diretor-técnico da Toyota.O responsável pelos motores do time japonês, Luca Marmorini, lembrou que a Toyota poderia fazer o mesmo, uma vez que Ralf Schumacher e Jarno Trulli, seus pilotos, também não estavam dentre os oito que marcam pontos, a exemplo de Button e Sato. "Mas defendemos o interesse do esporte. Não seria honesto agir assim, seria contrariar o espírito do regulamento."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.