Barrichello admite dificuldade para garantir 2.º lugar

Desde os testes antes do início da temporada 2009 da Fórmula 1, a Brawn GP já apontava como favorita a conquistar os melhores resultados no ano. Neste domingo, no GP da Austrália, as previsões se confirmaram, com a vitória de Jenson Button e a dobradinha junto de Rubens Barrichello, que terminou em segundo. Mas não foi fácil quanto se esperava, e o piloto brasileiro admitiu a dificuldade para se garantir logo atrás do companheiro de equipe na chegada.

AE, Agencia Estado

29 de março de 2009 | 11h04

Barrichello contou após a corrida em Melbourne que teve problemas com o carro na largada, e pensou que a batida logo na primeira curva tinha encerrado suas chances de pódio. "Me acertaram forte por detrás (do carro) na primeira curva, e eu achei que minha corrida tinha acabado", disse o brasileiro, que se tornou neste domingo o quarto piloto com mais pódios na história da Fórmula 1. Além disso, a dobradinha de uma equipe estreante na primeira corrida da temporada não acontecia desde 1954 na categoria.

Depois das dificuldade no início do GP da Austrália, Barrichello seguiu fazendo uma boa corrida e ia garantindo a quarta colocação. Foi quando, na disputa pelo segundo lugar, Sebastian Vettel, da Red Bull, e Robert Kubica, da BMW Sauber, se chocaram e deixaram o caminho livre para o piloto da Brawn GP. "Ainda bem que o carro sobreviveu e eu pude batalhar meu caminho até o quarto lugar e estar na posição de tirar vantagem do acidente entre Vettel e Kubica. Isso só mostra que você nunca deve desistir", afirmou Barrichello.

O piloto brasileiro ainda fez questão de dar uma cutucada nos críticos dos polêmicos difusores, usados apenas por três equipes - Brawn GP, Toyota e Williams. Barrichello contou que o difusor do seu carro foi danificado logo na batida da primeira curva, e por isso andou a corrida inteira sem os efeitos da nova tecnologia. Animado, ele deixou claro que ainda espera muito desta temporada. "Este é o começo de uma jornada instigante para nós", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.