Barrichello critica uso da asa móvel no GP de Mônaco

A próxima corrida da Fórmula 1 será o GP da Espanha, no dia 22, mas Rubens Barrichello já está preocupado com o GP de Mônaco, marcado para 29 de maio. O brasileiro, que também é presidente da Associação de Pilotos da Fórmula 1, criticou a decisão da Federação Internacional de Automobilismo de liberar o uso da asa traseira móvel na corrida.

AE, Agência Estado

10 de maio de 2011 | 13h32

Para o piloto da Williams, os dirigentes não têm noção dos riscos que existirão nas estreitas ruas de Montecarlo. "Eu só acho que é errado. Eu adoraria ver as pessoas de cargos top sentadas no carro e tentar fazer o túnel com a asa aberta", afirmou, em entrevista ao site da revista Autosport.

Barrichello disse que os pilotos não foram ouvidos e revelou temer que acidentes graves ocorram no GP de Mônaco. "Na minha opinião, eles estão esperando algo ruim acontecer. E quando isso acontecer, eles vão simplesmente dizer ''Oh, no próximo ano nós não vamos usá-lo em Mônaco''. Os pilotos não foram escutados agora e eu acho que é a decisão errada", comentou.

O brasileiro acredita que o uso da asa móvel não deverá aumentar o número de ultrapassagens no GP de Mônaco. "Você vai tentar usá-la. Eu posso ver uma corrida com muitos safety car. Se eles ainda puderem ouvir, acho que Mônaco é o que é. Não é um local de ultrapassagens. Será que eles acham que podem introduzir a ultrapassagem pela asa móvel? Eles podem machucar alguém. Essa é a voz da experiência", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.