Barrichello diz que não desistiu da briga pelo título

Com o sexto lugar no GP de Cingapura, no domingo, ficou ainda mais difícil para Rubens Barrichello conquistar o título da Fórmula 1. Ele chegou a 69 pontos no Mundial, e está a 15 do inglês Jenson Button, seu companheiro na Brawn GP. Mas a três corridas para o fim da temporada, o brasileiro não jogou a toalha.

AE, Agencia Estado

28 de setembro de 2009 | 12h38

"Fiquei desapontado com o resultado de domingo, mas nada de jogar a toalha. É uma pena só que todos aqueles eventos aconteceram. Acho que a gente tem trabalhado de uma forma muito positiva, se você começar a somar safety [car], troca de câmbio, batida, problema no pit stop, eu perdi um ponto só, de novo é mais para cima do que para baixo", disse.

Para evitar um título de Jenson Button já no domingo, em Suzuka, Barrichello precisa pelo menos garantir um lugar no pódio. Assim, ele adia a decisão mesmo que o companheiro de equipe vença a prova. Mas o brasileiro nem tem pensado nesta hipótese. Para ele, o momento é de lutar para vencer todas as provas restantes.

"É dessa forma que tenho de ir para as três provas finais: andando na frente dele, classificando na frente dele e mais do que tudo ganhando corrida, porque quando tudo vai bem tenho certeza que meu lado da garagem é mais forte que o dele", afirmou.

Para chegar às vitórias, contudo, Barrichello precisará de um carro que lhe permita brigar entre os primeiros colocados, o que não aconteceu em Cingapura. Para o GP do Japão, ele ainda não está seguro de que a Brawn GP andará entre os ponteiros.

"Não dá muito para prever. A teoria é que realmente a Red Bull deve andar muito bem lá, mas depende do frio e não espera um frio maior do que foi Spa. Acho que a gente vai estar bem lá", disse o vice-líder.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.