Barrichello: ´Tenho certeza que será um ano melhor´

O contrato do piloto brasileiro Rubens Barrichello com a Honda vai até o fim do ano, quando a opção de renovar ou não é dos japoneses. Mas Rubinho garante que não está preocupado em ficar sem lugar no time e na Fórmula 1 em 2008, mesmo após uma temporada ruim em 2006. E nem em mostrar mais serviço em 2007. Diz que a aposentador está indefinida e ainda sonha, aos 35 anos, em ser campeão. Para esta temporada, além de um modelo competitivo, Rubinho poderá correr num carro de cor diferente, segredo da Honda. ?Não sei. Li nos sites que pode ser verde, disseram que continua sendo branco. Eles querem manter um certo segredo.? Rubinho, que está em férias no Brasil, retorna à Europa dia 19 para uma temporada de testes com o novo carro da Honda, que se inicia dia 24, primeiro em Barcelona, depois em Bahrein e Malásia. Nesta quinta esteve no Shopping Jardim Sul, em São Paulo, para uma tarde de autógrafos em favor do Instituto Barrichello Kanaan. Rubinho falou sobre os seus planos para a temporada de 2007. Portal Estadão - Está preparado para voltar? Rubens Barrichello - Esse ano, as férias foram maiores devido ao novo regulamento da F-1, que não permite que se use mais do que 300 jogos de pneus. Isso favoreceu os pilotos, que puderam ter um descanso um pouco maior. Foi muito bom porque eu nunca comecei um ano tão forte como sinto que estou. Você fez testes com o carro antigo, mas com os pneus de 2007, em Barcelona, em dezembro. Qual sua expectativa? Como tudo na vida a gente tem de esperar pelo melhor. Eu tenho certeza que será um ano melhor para mim. Agora, se vai ser tão competitivo ou não tenho de esperar. Dia 24, no meu primeiro teste, eu já sento no carro novo, em Barcelona. Saio com o carro novo, a procura de coisas boas. Os testes estão sendo bem organizados. Tem conhecimento sobre o desenvolvimento do novo carro? Tudo no papel. O papel fala bem do carro. Precisa esperar para ver como vai ser. Na teoria, tem mudanças aerodinâmicas e mecânicas. O motor é o mesmo porque o regulamento não permite mudanças. O carro terá uma pintura diferente de todos esses anos. Acho que será visível ao público, principalmente, a mudança aerodinâmica. Sobre esse desenho novo da pintura, você pode adiantar alguma coisa? Eu mesmo não sei. Li nos sites que pode ser verde, disseram que continua sendo branco. Eu falei com o pessoal da equipe, mas eles querem manter um certo segredo. Que balanço você faz de 2006, uma temporada ruim? Um ano ótimo de aprendizado. Muito duro. Uma pessoa que não participou das mudanças olha e diz que foi um ano péssimo e ponto final. Mas eu tive um ano gostoso, de muito trabalho. Você ficou mais contente por sair da Ferrari? É não e sim. Eu tinha algumas retenções na Ferrari que não me faziam feliz, mas ao mesmo tempo eu mudei de equipe, não tive um carro competitivo e sofri com isso. Como tudo na vida, quando se planta uma semente ela não nasce de cara. Pastei bastante os primeiros dois meses, sobrevivi legal, melhorei muito, mas não acabei o ano onde eu queria ter acabado, não consegui um pódio, que fez uma falta muito grande. Para 2007, fiz toda a minha lição de casa, os testes de dezembro, os telefonemas necessários para que eles fizessem as coisas certinhas no que se refere a controle de tração e freios, que são as nossas falhas. Acho que se tudo correr para o lado certo, o carro vai ser bem melhor. Seu contrato com a Honda vai até o fim do ano, quando a opção de renovar ou não é dos japoneses. Isso te preocupa? Vai ter de mostrar serviço em 2007? Não acho que tenha de trabalhar mais para mostrar alguma coisa. Será o meu 15.º ano na Fórmula 1, aquilo que é mostrado é mostrado. Que eu vou ter um ano melhor, tenho ciência disso. Quanto melhor eu não sei, mas não me preocupa. Tenho a opção de renovação no contrato ou não, tem outras equipes nessa temporada, não que eu vise uma mudança, mas eu só não acho que vai ser o último ano. Então, ao final da temporada aposentadoria é algo que não está nos seus planos? Em primeiro plano está o meu sonho de ser campeão. Só tenho que realmente começar com os pés no chão, porque no ano passado comecei com um fervor muito grande e aquilo foi abalado porque o carro não transmitiu nas corridas o que mostrou nos testes, ficou muito abaixo. Esse ano, estou tranqüilo, como franco atirador - no ano passado acabei o campeonato em sétimo, sem grandes perspectivas - e agora começo com a boa expectativa de ter um bom carro e querendo tirar tudo dele. E o Felipe Massa na Ferrari? Acho que o Felipe começa numa fase ótima da Ferrari. Não sei quanto fará falta o Michael Schumacher e o Ross Brown, mas acredito que a Ferrari aprendeu muito com esses dois indivíduos ao longo de todos esses anos e deve ter um carro muito competitivo desde o começo. Como será a F-1 com a saída do Schumacher? Acho que ele vai fazer falta, mas acredito que a F-1 em si vai estar mais guerreada pelo regulamento. Não será fácil, na minha opinião, a adaptação do Fernando Alonso na McLaren. Não sei quanto competitivo será o Kimi Raikkonen na Ferrari. Acho que a Renault, que trabalha bem em conjunto, será uma equipe forte. Acho que as equipes em si estarão brigando mais perto uma da outra, lutando por vitórias e pódio. O presidente da Ferrari já disse duas vezes que aposta no título do Kimi Raikkonen, em detrimento do Massa. O que você acha disso, sendo que o Massa já está na Ferrari há mais tempo? Eu não sei. Sai da Ferrari, mas sempre tive um ótimo relacionamento com o Montezemolo, sempre falou bem de mim. Mas quando entrei, o Schumacher já estava lá. As pessoas não precisavam jogar ele para cima para que ele se sentisse bem. O Raikkonen está chegando agora, não sei qual é o envolvimento dele. Deve ganhar uma baita grana e o presidente, para justificar o investimento, tem de falar bem. Acredito que o Raikkonen precisará de um tempo para se adaptar ao carro, mas vai andar bem. Ele é um dos melhores pilotos da atualidade, com certeza. Como foi a adaptação do carro aos pneus Bridgestone? A adaptação com o pneu foi ótima, melhor do que eu esperava. E até melhor, para mim, do que foi 2006, com os pneus Michelin. Minha melhora, esse ano, por causa do costume que eu tinha com os pneus Bridgestone, desde 1997, deve ser grande. Os pneus Michelin eram excelentes, mas exigiam uma tocada diferente. Demorou para eu me adaptar. Como vê os nomes novos da Fórmula 1, como Kubica, Hamilton e Nelsinho Piquet? O que já estão na F-1, que são o Hamilton e o Kubica, vão despontar. Se bem que os que têm experiência vão continuar na frente. O Nelsinho tem um bom futuro, precisa só saber como foi a mexida na equipe (Renault). Se o Ricardo Zonta andar bem, mostrar velocidade... O Nelsinho é o quarto piloto da equipe e precisa ter tempo com o carro, como foi em novembro e dezembro. Se, a partir de janeiro, não tiver tempo com o carro, não consegue mostrar todo o seu potencial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.