Barros ainda acredita na vitória

O piloto brasileiro Alexandre Barros, da West Honda Pons, era um sinônimo de decepção depois dos treinos classificatórios desta sexta-feira para o GP do Rio de Motovelocidade, na categoria 500 cilindradas. Ele, que tinha a convicção de se classificar entre os primeiros colocados, disse não encontrar uma explicação para a 12ª posição no grid. "Nas 500 cilindradas é assim mesmo. Faltou a volta rápida", lamentou Barros. "Tem pilotos que podem não ir bem durante o treino e, no final, sempre conseguem a volta com um excelente tempo e este foi o caso do Loris (Capirossi, seu companheiro de equipe, que larga na segunda posição)." A péssima colocação de Barros não só o decepcionou, como também comprometeu sua corrida. Por largar na quarta fila, o piloto brasileiro será obrigado a gastar mais os pneus na hora da largada, para tentar se posicionar entre os primeiros, fato que o prejudicará ao longo da disputa. Apesar do resultado, ele apostou em si, quando indagado sobre quem seria o vencedor deste sábado. "As dificuldades tornarão a vitória mais saborosa", afirmou. Sobre a possibilidade de chuva durante a prova, disse não temê-la, pelo contrário, já que ela o ajudaria a poupar seu equipamento. Ao final dos treinos, o campeão Rossi até tentou esconder seu desapontamento com o quinto lugar obtido na largada, mas afirmou não saber o que tinha acontecido com sua moto. "Ainda não sei o que fez a moto render tão pouco", disse o piloto italiano. "Com a equipe, vou tentar acertá-la durante os treinos livres de amanhã." A primeira fila do grid de largada da categoria será formada pelo ?azarão? japonês Thoru Ukawa Ukawa, seguido por Capirossi; pelo americano Kenny Roberts, da Telefonica Movistar Suzuki; e o japonês Shinya Nakano, da Gauloises Yamaha Tech 3.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.