Arquivo/AE
Arquivo/AE

Batida de Felipe Massa é marco na segurança, diz especialista

Para o alemão Christian Danner, piloto da Ferrari só foi salvo porque os equipamentos evoluem constantemente

Milton Pazzi Jr., Agencia Estado

13 de outubro de 2009 | 13h38

SÃO PAULO - O alemão Christian Danner, ex-piloto e especialista em segurança nas pistas, afirmou nesta terça-feira que o acidente de Felipe Massa foi um marco na história da Fórmula 1. Para ele, o brasileiro só foi salvo porque os equipamentos evoluíram constantemente e, depois do ocorrido na Hungria, devem melhorar ainda mais.

Veja também:

F-1 2009 - tabela Classificação | especialCalendário

especialESPECIAL - Jogue o Desafio dos Pilotos

blog BLOG DO LIVIO - Leia mais sobre a F-1

blog SPF1 - Leia mais no blog do GP do Brasil

"Felipe teve um acidente muito grave. Antes de mais nada, ele teve sorte, porque cinco anos atrás não teria sobrevivido. O capacete foi fundamental para salvá-lo. E agora a indústria de capacetes está discutindo o que precisa ser feito para estar em constante evolução", explicou Danner durante entrevista coletiva em São Paulo.

O alemão esteve na Fórmula 1 entre 1985 e 1989, sempre em equipes pequenas. Atualmente, além de trabalhar propondo ideias para melhorar a segurança nas pistas e estradas de todo o mundo, ele é comentarista de uma emissora de TV.

Para Danner, ainda há muito a ser feito a fim de melhorar a segurança dos carros, e esse trabalho já se intensificou após o acidente de Massa. O piloto da Ferrari foi atingido por uma mola, um acidente inusitado, e que passou a integrar a lista de precauções da FIA.

"Foi um acidente pouco usual, e é preciso que haja uma investigação intensiva. É uma tarefa árdua, e têm sido feitas muitas sugestões. Algumas pessoas gostam, outras, não. Mas temos de testar e ver o que é melhor", disse.

O acidente sofrido por Massa não causou nenhum tipo de sequela ao piloto brasileiro. Na segunda-feira, dois meses e meio depois da batida, ele voltou a testar com um carro de Fórmula 1: correu com a Ferrari de 2007 na pista de Fiorano, na Itália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.