Ian Langsdon/EFE
Ian Langsdon/EFE

Bellucci lamenta derrota em Roland Garros, mas diz que teve bons dias em Paris

Atual 269 do mundo, brasileiro diz que faltam jogos e confiança para voltar a disputar de igual para igual ATPs e Grand Slams

Estadão Conteúdo

27 de maio de 2018 | 17h34

Depois de vencer três jogos no qualifying, o tenista brasileiro Thomaz Bellucci foi superado pelo argentino Federico Delbonis, neste domingo, logo na primeira rodada da chave principal de Roland Garros. O atual número 269 do mundo afirmou depois da derrota que teve bon dias em Paris, mas que ainda faltam jogos e confiança para voltar a jogar de igual para igual contra jogadores que estão disputando ATPs e Grand Slams.

+ Bellucci perde para argentino na estreia e está eliminado de Roland Garros

+ Sempre favorito, Nadal encara 'nova geração' em Roland Garros

"Eu vim de jogos do quali duro, mas nenhum cara do quali tem um nível igual ao dele (Delbonis). São jogadores de Challenger (os de quali). Hoje (domingo) eu senti um pouco isso, já que desde o começo do ano eu tenho jogado praticamente Challengers. Preciso ganhar esse nível de novo nos ATPs e é isso que estamos buscando agora", analisou Thomaz Bellucci.

"O físico está bom. Consegui jogar 4 jogos intensos e estou bem fisicamente. Tenho que tentar manter um nível alto, somar pontos nos Challengers e voltar ao nível que eu pertenço, que é jogando os ATPs e jogando com esses caras. Com o tempo eu vou conseguir retomar o ritmo e não vai ser tão duro jogar contra esses caras como foi hoje (domingo)", disse o tenista brasileiro.

Sobre a partida contra Federico Delbonis, atual 66.º colocado do ranking da ATP, Thomaz Bellucci comentou que não conseguiu executar em quadra o que pretendia fazer. "Comecei mal o jogo, errando de mais. Deixei ele confortável para sacar, devolver e não estava entrando bem nos pontos, principalmente na devolução e errando no primeiro saque. Com um cara como ele, que gosta de jogar atacando, é crucial que você tente parar um pouco o tempo dele. Não consegui fazer muito isso. Ele estava tomando a iniciativa em todos os pontos", afirmou.

"No terceiro eu consegui inverter, jogar bolas mais profundas, errar menos e sacar um pouco melhor e o jogo ficou diferente. No começo do quarto perdi aquela chance que poderia ter tornado a história um pouco diferente. Mas ele foi mais consistente e conseguiu manter o jogo em um nível maior durante todo a partida", completou o brasileiro, que parte agora para a Polônia, onde disputa o Challenger de Poznan.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.