Bernie Ecclestone diz que Sid Watkins é insubstituível

Em sua primeira declaração pública sobre a morte de Sid Watkins, Bernie Ecclestone demonstrou nesta sexta-feira o seu carinho e respeito pelo ex-médico-chefe da Fórmula 1, que exerceu a função por quase três décadas e não mediu esforços no trabalho para aumentar a segurança nos circuitos.

AE, Agência Estado

14 de setembro de 2012 | 16h33

De acordo com o presidente da Formula One Management, a categoria nunca mais terá alguém como Watkins. "Tenho certeza de que ele é insubstituível. Você só conhece alguém de seu calibre uma vez na vida", afirmou Ecclestone, que exaltou o legado deixado pelo dirigente.

"O que Sid Watkins fez pela segurança da Fórmula 1 foi incrível. Ele deu toda a sua vida por essa causa, para se certificar de que tudo pudesse ser o máximo seguro possível. Todos nós temos com ele uma dívida de gratidão por seu carinho e compromisso", disse.

Ecclestone lembrou que ele foi o responsável por convidar Watkins para ingressar na Fórmula 1 no final da década de 1970. O dirigente explicou que ele e o médico chegaram a um consenso sobre as necessidades dos circuitos que compõem o calendário da categoria.

"Quando eu o convidei para participar de Fórmula 1 como médico oficial na temporada de 1978, discutimos muitos aspectos de segurança e questões médicas. Nós concordamos que precisávamos de um hospital adequado na pista, totalmente equipado para dar aos pilotos feridos um tratamento imediato, e um helicóptero para transportá-los posteriormente para instalações especializadas, e que o heliporto tinha que estar o mais perto possível do hospital", disse o dirigente, que relembrou outras ações importantes de Watkins, médico-chefe da Fórmula 1 entre 1978 e 2004.

"Sid realizou todas essas coisas, e muitos mais. Após os acidentes com Jochen Rindt e Ronnie Peterson, sugeri que deveríamos ter um carro de atendimento médico e que ele deveria assumir a responsabilidade de levar os pilotos até o centro de tratamento", comentou. "Nós sempre conversamos sobre as coisas e trabalhamos juntos, e ele cuidou de todos os assuntos médicos sobre os quais eu nada sabia", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.