Divulgação
Divulgação

Bia Figueiredo bate forte em Indianápolis e vai para o hospital

Ela foi liberada com escoriações e pontos no queixo após acidente em prova da categoria de acesso à F-Indy

Redação

22 de maio de 2009 | 16h53

A brasileira Bia Figueiredo passou um grande susto nesta sexta-feira. Ela bateu a quase 300 km/h no muro da curva 1 em Indianápolis enquanto disputava as 100 milhas - versão menor da tradicional 500 milhas - da Indy Lights (categoria de acesso à Fórmula Indy) e foi parar no hospital.

Veja também:

linkCastroneves é absolvido de última acusação nos EUA

linkConfira o grid de largada das 500 milhas de Indianápolis

linkPrevisão é de tempo bom para as 500 milhas de Indianápolis

Segundo sua assessoria de Imprensa, ela está bem, com cinco pontos no queixo - por ter batido no microfone do capacete - e escoriações no cotovelo esquerdo e no ombro direito. Depois de todos os exames no hospital, Bia retornou ao Autódromo de Indianápolis para os eventos promocionais da categoria. Além disso, já está liberada para voltar a correr na semana que vem, em Milwaukee, outro oval, por sinal.

 
 O carro de Bia após bater no muro na curva 1
O acidente aconteceu na 16.ª volta da prova. Ela e Gustavo Yacaman disputavam a sexta posição quando se tocaram, com ela, que estava do lado de dentro da curva 1, atingindo o muro e só conseguindo parar, com o carro destruído, na curva 2. O atendimento foi rápido e, devido à desacelaração, Bia foi obrigatoriamente levada para o hospital.

"No tráfego, meu carro vinha saindo um pouco de frente. Diante de mim, estavam quatro carros brigando e eu perdi downforce. Ao mesmo tempo, o Gustavo Yacaman vinha ao meu lado e resolveu tentar me passar por fora. Não me deu espaço o suficiente para fazer a curva. Eu tentei desacelerar ao máximo, pois é lógico que não queria bater, mas também não foi o suficiente", explica, via assessoria.

Como não terminou a prova, Bia fica mais distante do líder da classificação, J.R. Hildebrand, que tem 158. Ela está com 114 e ocupa atualmente a 11.ª posição, após cinco etapas. Com uma vitória no currículo - ano passado, em Nashville, a primeira de uma mulher brasileira numa categoria internacional - Bia Figueiredo ainda tem dez etapas para diminuir a diferença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.