BMW correrá na F-1 com carro próprio

Enfim, um dia mais tranqüilo para os dirigentes da Fórmula 1, a Michelin e as equipes que competem com pneus franceses. O fiasco do GP dos Estados Unidos ficou em segundo plano hoje após a confirmação da compra da equipe suíça Sauber - que neste ano tem como pilotos o brasileiro Felipe Massa e o canadense Jacques Villeneuve - pela BMW, fabricante dos motores que atualmente equipam os carros da Williams. Uma notícia para lá de esperada, mas que veio em boa hora, no meio de tanta turbulência. Já a partir de 1.º de janeiro de 2006 a BMW vai dar o nome à equipe, assumindo a responsabilidade total. Os valores da negociação não foram divulgados, mas comenta-se que os alemães irão pagar US$ 120 milhões a Peter Sauber. "A decisão da BMW é a expressão de nosso total e prolongado compromisso com a Fórmula 1?, disse o gerente de desenvolvimento da fábrica de motores, Burkhard Goeschel. "Foi a melhor solução?, disse Peter Sauber, que passará a assessorar a equipe. A parte negociada foi a que pertence a ele e estima-se que no máximo em três anos a BMW irá adquirir as ações que pertencem ao banco Credit Suisse. A dúvida, agora, é se a BMW continuará fornecendo motores para a Williams. Fabricante e equipe andam às turras há meses. Praticamente certa é a volta do piloto alemão Nick Heidfeld para a equipe da BMW, já que ele é patrocinado pela montadora. E Gerhard Berger deverá ser contratado como diretor. A sede da equipe continuará na cidade de Hinwill. A BMW, porém, descarta a obtenção de resultados expressivos rapidamente. "A BMW se vê no papel de aprendiz. Temos consciência disso?, disse Mário Theissen. A BMW deve investir US$ 242 milhões por ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.