Boletim confirma que Jules Bianchi sofreu lesão cerebral grave

Em conjunto com familiares, Marussia revela que trauma lesionou neurônios do piloto, fazendo com que os mesmo percam funções

Estadão Conteúdo

07 de outubro de 2014 | 12h29

Por meio de comunicado divulgado em conjunto com familiares do piloto Jules Bianchi, a Marussia divulgou informações de um boletim médico fornecido pelo Mie General Hospital em Yokkaichi, nesta terça-feira, já no final da noite no horário japonês, confirmando que o francês sofreu uma lesão cerebral grave. A lesão em questão foi provocada pelo forte acidente no qual ele se envolveu no GP do Japão de Fórmula 1, no último domingo, no circuito de Suzuka.

O boletim confirma que Bianchi teve uma "lesão axonal difusa", que é considerada um trauma grave. Esse tipo de trauma acomete todo o cérebro, lesionando os neurônios e fazendo com que os mesmos percam as suas funções. Esse tipo de lesão é considerada frequente em casos de traumatismos cranioencefálicos.

O piloto sofreu o grave acidente ao perder o controle de sua Marussia na escorregadia pista do circuito de Suzuka, atingida por forte chuva, e bater em alta velocidade em um guindaste que removia a Sauber de Adrian Sutil na área de escape da pista na 43ª volta da corrida. O alemão acabara de sofrer um acidente antes de Bianchi se chocar contra o veículo de apoio.

Acidente de Jules Bianchi no Gp do Japão 2014 por sportracenews

"Esse é um momento muito difícil para nossa família, mas as mensagens de apoio para Jules de toda parte do mundo têm sido uma fonte de grande conforto para nós. Gostaríamos de expressar nosso sincero agradecimento", inicia a nota oficial, que em seguida confirma que o piloto segue na UTI do hospital em Yokkaichi. "Ele sofreu uma lesão axonal difusa e seu estado é crítico, porém estável", informou.

Os pais de Bianchi também fizeram questão de agradecer aos médicos pelo "melhor tratamento e atenção" proporcionados ao piloto, assim como expressaram gratidão pela presença do médico Gerard Saillant, presidente da comissão médica da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), e de Alessandro Frati, neurocirurgião da Universidade de Roma La Sapienza, que viajaram até o Japão a pedido da Ferrari, fornecedora dos motores usados pelos carros da Marussia. Saillant, por sinal, ficou famoso no Brasil por ter sido o médico que tratou de lesões graves no joelho sofridas por Ronaldo, ex-jogador da seleção brasileira.

"Eles chegaram ao hospital neste terça e se encontraram com a equipe médica responsável pelo tratamento de Jules, de forma a serem totalmente informados de seu estado clínico para estarem aptos a aconselharem a família. Os professores Saillant e Frati reconhecem o excelente atendimento prestado pelo Hospital Geral de Mie e gostariam de agradecer aos seus colegas japoneses", disse o comunicado, que depois foi finalizado da seguinte forma: "O hospital continuará a monitorar e tratar Jules, e mais atualizações médicas serão fornecidas quando for adequado".

NOTA DA FAMÍLIA

É um momento muito difícil para a família, mas as mensagens de apoio e afeto do mundo todo são fonte de grande conforto para nós. Gostaríamos de expressar nossa sincera apreciação. Jules segue na Unidade de Tratamento Intensivo do Mie General Medical Center, em Yokkaichi. Ele sofreu uma lexão axonal difusa e está em estado crítico, mas estável. Os médicos do hospital estão oferecendo o melhor tratamento e cuidados, e estamos gratos por tudo que fizeram a ele depois do acidente.

Estamos gratos também pela presença do professor Gerard Saillant, presidente da Comissão Médica da FIA, e pelo professor Alessandro Frati, neurocirurgião da Universidade de La Sapienza, em Roma, que viajou ao Japão a pedido da escuderia Ferrari. Eles vieram ao hospital hoje e se encontraram com os médicos responsáveis pelo tratamento do Jules para ficarem totalmente informados do estado clínico e poderem falar com a família. Os professores Saillant e Frati reconhecem o excelente tratamento provido pelo Mie General Medical Center e gostaríam de agradecer a seus colegas japoneses".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.