Srdjan Suki/EFE
Srdjan Suki/EFE

Bottas comemora pole com 'ótima sensação' e Hamilton explica erros no Azerbaijão

Finlandês anota tempo de 1min40s495 e supera companheiro de Mercedes por apenas 0s059

Redação, Estadão Conteúdo

27 de abril de 2019 | 16h41

Depois de cravar a pole position para o GP do Azerbaijão da Fórmula 1, o finlandês Valtteri Bottas, da Mercedes, admitiu que o resultado do treino classificatório deste sábado foi inesperado: "Você pode dizer sim, definitivamente".

Com o tempo de 1min40s495, o piloto superou o companheiro Lewis Hamilton, pentacampeão mundial e líder desta temporada, por apenas 0s059. Entretanto, a maior proeza foi colocar os dois carros da Mercedes à frente da Ferrari, mais rápida nos treinos livres com o monegasco Charles Leclerc, que bateu na sessão classificatória.

"Após os treinos de ontem (sexta-feira) e desta manhã, vimos que a Ferrari era extremamente rápida. A Red Bull também. A pole me parecia fora de alcance, mas você nunca sabe o que pode acontecer e não pode desistir. No fim, Charles bateu e ficou de fora", analisou Bottas.

O finlandês também ponderou que as frequentes interrupções no treino, decorrentes das batidas de Leclerc e do polonês Robert Kubica no estreito circuito de rua em Baku, tornaram a pole ainda mais emocionante. "Porque tudo estava atrasado e foi muito mais legal e o mais complicado era fazer com que os pneus funcionassem", disse.

"Quando se trata de uma volta neste tipo de pista, o efeito do vácuo é muito importante. Consegui uma diferença muito boa para o carro à frente. Além disso, é bom tirar uma volta boa neste momento importante", comentou Bottas.

O piloto de 29 anos destacou a emoção de cravar a pole com o cronômetro zerado, em sua última tentativa: "É uma ótima sensação conseguir na última volta. Como um time, nós fizemos um trabalho realmente bom depois de um treino tão difícil".

Hamilton também destacou o trabalho da Mercedes e elogiou Bottas. "Valtteri foi excepcional e o resultado foi ótimo para nós. Neste fim de semana, não parecia que éramos os mais rápidos. A gente parecia mais forte em ritmo de corrida, mas nosso ritmo de classificação não parecia tão próximo da Ferrari. Mas trabalhamos muito no carro e melhoramos hoje (sábado)", comentou.

O britânico ainda apontou os seus erros na tentativa pela pole position. "Tive um pequeno erro nas curvas 1 e 2. Eu recuperei nos dois setores seguintes, mas infelizmente não foi o suficiente", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.