Jon Super/AP
Jon Super/AP

Bottas nega acerto com a Ferrari e diz não ter nada definido para 2016

Filandês é cotado para substituir o compatriota Kimi Raikkonen

Estadão Conteúdo

07 de maio de 2015 | 13h41

Às vésperas do GP da Espanha, o finlandês Valtteri Bottas rejeitou nesta quinta-feira as especulações de que ele irá trocar a Williams pela Ferrari, embora tenha ressaltado que permanece sem ter definido qual será a sua equipe na próxima temporada da Fórmula 1.

O finlandês, de 25 anos, é considerado um dos pilotos mais consistentes da categoria. Ele terminou o campeonato de 2014 em quarto lugar, com quatro pódios, e está na sexta colocação nesta temporada, depois de quatro corridas.

Seu contrato com a Williams termina neste ano. Especulações em torno da dupla da Ferrari para o próximo campeonato levaram ao surgimento de rumores de que Bottas assinou um pré-contrato com a equipe italiana, que ainda precisa confirmar se Kimi Raikkonen vai ficar em 2016 - seu outro piloto é Sebastian Vettel.

"Eu ouvi muitas histórias. Às vezes é muito engraçado ouvir", disse Bottas nesta quinta-feira, no circuito de Barcelona, palco do GP da Espanha no próximo domingo. "O fato é, no momento, eu estou focando nesta temporada, e o resto eu não sei ainda".

Haverá muito interesse na contratação de Bottas se ele não ficar na Williams, que ficou para trás da Ferrari neste início de temporada, depois de ser a principal adversária da Mercedes na reta final do campeonato de 2014.

Bottas não largou no GP da Austrália, na abertura da temporada, terminou em quinto na Malásia, em sexto lugar na China e na quarta posição no Bahrein. Ele está um ponto atrás do brasileiro Felipe Massa, seu companheiro de equipe.

Por enquanto, a situação de Bottas na Williams segue indefinida. "Eu não tenho nada para o próximo ano. Meus empresários estão falando com eles e talvez existam algumas coisas que não me disseram. Eu tenho certeza eles têm algum tipo de plano para a minha carreira, nos próximos anos. É claro que é bom saber mais cedo o que estou fazendo, mas, para o momento, é um pouco cedo demais".

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.