Brasil terá F-Renault por cinco anos

Agora é oficial: o Brasil terá, ano que vem, seu primeiro Campeonato de Fórmula Renault, hoje a principal categoria-escola do automobilismo. A iniciativa é do ex-piloto de Fórmula 1, Pedro Paulo Diniz, que assinou com a montadora francesa um contrato de colaboração de cinco anos. "O mais importante é que, além de oferecermos uma competição de nível bastante elevado, vamos investir na profissionalização do automobilismo", disse Diniz. A data de abertura do campeonato, que terá dez etapas, já está definida: 21 de abril, em Curitiba. "Tivemos hoje uma reunião com os interessados. Acredito que, em princípio, serão 15 equipes e um total de 30 carros", avalia Diniz. O modelo utilizado será o mesmo adotado nos Campeonatos Europeu, Francês, Italiano e Inglês, fabricado pela empresa italiana Tatus, equipado com motor 2.0 do Clio RS, capaz de desenvolver 183 cavalos de potência. "Os prêmios são bem atraentes", lembra o promotor. "O piloto campeão ganhará uma temporada na Fórmula Renault Européia, enquanto a equipe que ficar em primeiro, um modelo Scenic." Dois dos mais jovens pilotos da Fórmula 1 provêm da Fórmula Renault: o finlandês Kimi Raikkonen, contratato pela McLaren, campeão inglês ano passado, e Felipe Massa, nova revelação do Brasil, que fará a sua estréia em 2002, pela Sauber, campeão europeu em 2000. O campeão europeu da Fórmula Renault Européia, este ano, é o brasileiro Augusto Farfus Junior. O investimento necessário para participar do Campeonato Brasileiro é de US$ 120 mil por carro. É um valor bem inferior ao que se gastava para correr na Fórmula Chevrolet, extinta este ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.