Brasileiros da IRL reclamam prestígio

Depois de três vitórias consecutivas nas 500 Milhas de Indianápolis e três títulos seguidos da Cart, os pilotos brasileiros que correm nos Estados Unidos só se queixam da falta de reconhecimento em seu próprio país. "Não temos aqui o mesmo prestígio que desfrutamos na América. E como somos brasileiros, isso magoa", resume Hélio Castro Neves.Helinho, Gil de Ferran e Tony Kanaan chegaram à última corrida, no Texas, com chances de conquistar o título que acabou ficando com o neozelandês Scott Dixon. Nem a possibilidade da conquista do título da IRL, pela primeira vez por um brasileiro, foi argumento suficiente para que a SporTV mostrasse a corrida ao vivo. Os pilotos não disfarçaram sua decepção.Para 2004, o empresário Willy Hermann, da Image, empresa que tem os direitos da IRL no Brasil, acertou com a Rede Bandeirantes que deverá mostrar teipe das corridas aos domingos, no começo da noite, e a transmissão ao vivo das 500 Milhas de Indianápolis. A idéia é aumentar a visibilidade da categoria no Brasil. E a SporTV poderá mostrar todas as corridas ao vivo pelo segundo canal que deverá estrear em 2004.A falta de transmissões ao vivo também é um obstáculo à carreira profissional dos pilotos. Com exceção de Giaffone, que corre com o logotipo dos cigarros Hollywood (companhia Souza Cruz), os demais brasileiros só contam com patrocínios de empresas americanas. Helinho corre pela Marlboro americana e Kanaan pela 7 Eleven.Kanaan lembra que tem o apoio da Pneutop. Mas seu último grande patrocínio brasileiro foi em 98, quando corria com as marcas da Marlboro brasileira e Gatorade. Helinho só teve patrocinadores brasileiros até 91, com a Transbrasil e Coimex. "Embora corra nos EUA, todos os meus vínculos estão no Brasil", diz Kanaan. O piloto, entretanto, julga difícil que a IRL possa ter uma corrida no País. "Por enquanto nem pensar. Primeiro a categoria terá que aprovar as corridas em circuitos mistos. Aí, quem sabe, algum empresário se interesse em organizar uma prova aqui."Os pilotos continuam interessados em participar das atividades esportivas brasileiras. Giaffone está se preparando para correr as Mil Milhas Brasileiras, dia 25 de janeiro. E Helinho quer disputar as 500 Milhas de Kart da Granja Viana.Na linha da Fundação Ayrton Senna e Gol de Letra, Helinho e Kanaan também investem em projetos sociais. O Brazilian Mission apóia instituições em quatro cidades do Interior do Ceará. Este ano, além de dinheiro, a dupla conseguiu da Prefeitura de Miami a doação de 100 cadeiras de roda. A presidente da Brazilian Mission é Karen Kanaan, irmã de Tony.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.