Luca Bassan/Divulgação
Luca Bassan/Divulgação

Brasileiros lançam o desafio de defender o País na GT Series Sprint com equipe 100% nacional

Categoria é considerada a principal entre os carros de turismo que competem em pistas no exterior

Valéria Zukeran, Estadão.com.br

25 de março de 2013 | 19h44

SÃO PAULO - Cada tipo de automobilismo tem sua categoria máxima na Federação Internacional de Automobilismo (FIA). Entre os monopostos há a Fórmula 1. Entre os carros de turismo off-road o Mundial de Rally. Entre os carros de turismo que enfrentam as pistas, a GT Series. Pela primeira vez, o Brasil terá uma equipe 100% nacional – dos pilotos, passando por engenheiros e mecânicos – na competição: a BMW Sports Trophy Team Brasil.

Cacá Bueno e Allam Khodair pilotarão um dos carros nas seis etapas da Sprint Series enquanto Ricardo Zonta e Sérgio Jimenez vão comandar outro. A estreia será dia 1º em Nogaro, França. Depois serão realizadas corridas na Bélgica, Holanda, Eslováquia, Espanha e o encerramento da temporada será um local a ser anunciado, no Oriente Médio. Khodair e Cacá estão animados com o novo desafio, que será enfrentado paralelamente à Stock Car brasileira da mesma forma que Zonta, que já foi campeão da GT Series em 1998, e Jimenez, que disputou algumas etapas da categoria em outras temporadas.

“A equipe será 100% brasileira, dos pilotos, passando pelos engenheiros e até os mecânicos - um grupo de 20 pessoas. Será a chance de a gente abrir portas para um novo mercado. Para mim é o equivalente a entrar na Fórmula 1”, diz Cacá Bueno. Segundo o piloto, a atual temporada será de aprendizado pois todos terão de conhecer melhor as pistas e as condições de trabalho para que, no ano que vem, além da Sprint Series o grupo também dispute a Endurance Series que, tem entre suas etapas eventos famosos como as 24 horas de Le Mans.  A sede da equipe BMW Sports Trophy Team Brasil, que tem apoio da BMW brasileira e do banco BMG, será em Barcelona.

 

“Esse projeto é como estar na Fórmula 1 para a gente”, diz Khodair. “É como se fosse uma seleção brasileira, com equipe 100% brasileira. O projeto chegou como se fosse um sonho para mim”, disse o piloto, explicando que, a partir do momento que trocou os monopostos pelos carros de turismo, a GT Series é o máximo que poderia almejar.

 

 

A diferença entre os carros da categoria disputada no Brasil e no exterior é pequena e está mais nas condições das pistas – ainda pouco conhecidas de mecânicos e engenheiros – e de ligeiras diferenças de regulamento.  “A gente tem 10 minutos a mais de prova e a troca de pilotos no Brasil é feita em dois minutos  – então você tem uma tranquilidade para amarrar o cinto (de segurança). Na GT Series (Internacional) o piloto tem de trocar sozinho”, conta Jimenez.  O detalhe, segundo o piloto, exige que a dupla tenha bastante sintonia na hora da mudança. “Isso pode decidir uma corrida.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.