Vinicius Branca/Mitsubishi
Vinicius Branca/Mitsubishi

Brasileiros têm problemas e despencam no Rali Dacar

Guilherme Spinelli erra o caminho, sofre problemas mecânicos em seu Mitsubishi e cai para o 31º lugar entre os carros

Estadão Conteúdo

06 de janeiro de 2015 | 18h00

Só um milagre pode garantir agora um bom resultado para o Brasil entre os carros no Rali Dacar. Nesta terça-feira, no terceiro dia da mais tradicional prova de rali do mundo, o brasileiro Guilherme Spinelli errou o caminho e sofreu com problemas mecânicos na sua Mitsubishi. Assim, a dupla que forma com o navegador Youssef Haddad despencou para o 31.º lugar, a mais de duas horas e meia dos primeiros colocados.

"Faltando 120 km, quebrou o pivô da suspensão dianteira. Demoramos para fazer o reparo e seguimos com cautela redobrada", contou Spinelli. "Foi uma sucessão de infelicidades. Também furamos um pneu e passamos uma das entradas, perdendo tempo para achar o caminho correto. Logo depois tivemos o problema na suspensão. O parafuso também quebrou e tivemos que tirar toda a bandeja para fazer o reparo", relata Youssef.

Com quase 12 horas de prova, os brasileiros têm 2h38min de distância para o líder Nasser Al-Attiyah (Catar), campeão de 2011. O catariano da Mini foi o quinto colocado do trecho desta terça-feira, entre San Juan e Chilecito, na Argentina, mas ainda tem 4min18s de folga para o sul-africano Ginel de Villiers. O argentino Orlando Terranova foi o melhor da etapa e agora é o terceiro, a 18 minutos de Al-Attiyah.

Entre as motos, o líder segue sendo o espanhol Joan Barreda Bort, da Honda, depois de 9h43min de prova. Ele é seguido pelo seu parceiro de equipe, o português Paulo Gonçalves, pouco mais de cinco minutos atrás. O austríaco Matthias Walkner venceu a etapa e, em seu primeiro Dakar, já é o terceiro.

Um dos favoritos entre as motos, o espanhol Marc Coma, atual campeão, ganhou duas posições e agora é o quarto, a 10min50s do líder. Seguem sendo quatro espanhóis e três portugueses entre os 10 primeiros. Jean Azevedo é o 30.º colocado, caindo mais duas posições com relação à segunda-feira.

Nesta quarta, na quarta etapa do Rally, os pilotos vão cruzar a fronteira entre a Argentina e o Chile. Farão um deslocamento de 594km para uma especial cronometrada, já no Chile, de 315km. Passarão pelo deserto do Atacama para chegar a Copiapó, percorrendo um total de 909km.
Tudo o que sabemos sobre:
automobilismoRali Dacaroff-roadDacar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.