Briga pelo vice divide pilotos

Os três pilotos que lutam pelo título de vice-campeão da temporada têm opiniões distintas sobre a importância do resultado. Enquanto para Rubens Barrichello o vice representa "ser o melhor depois do melhor", e por isso mesmo "é muito importante", para David Coulthard, da McLaren, a perspectiva de ser segundo não lhe estimula em nada. "Corro para ser campeão, não vice." Já Ralf Schumacher, da Williams, lembrou que se lhe dissessem, no começo do ano, que venceria três provas na temporada, como ocorreu, daria risada. "Estou onde não imaginava estar e vou dar tudo para ir ainda mais adiante." Rubinho explicou que não é comum na Ferrari ver o time inteiro concentrado nos seus dois pilotos. "Em geral as atenções estão sobre o Michael. Tenho de aproveitar essa oportunidade, a temporada para mim, portanto, está apenas começando", falou. "Tenho quatro corridas para ganhar essa disputa. Se terminar o campeonato em segundo certamente ficarei mais feliz do que se for terceiro." Ao analisar como o Brasil via seu desempenho, o piloto não escondeu certa mágoa. "As pessoas são muito críticas ao comentar qualquer coisa. Se o Kuerten está ganhando então ele é fantástico, mas se não vencer já não é mais o mesmo", afirmou. "Não temos o apoio da torcida quando precisamos." A imprensa não escapou das suas críticas, ao dizer que "o povo recebe às vezes falsas informações, o que é ruim." Com 51 pontos na classificação, diante de 94 de Michael Schumacher, já o campeão, Coulthard comentou sua posição distinta da de Rubinho, que tem 46. "Vou correr para tentar ganhar as quatro provas que faltam. Isso sim me motiva, não o fato de eventualmente ser segundo no Mundial." Depois da etapa de Spa-Francorchamps, restarão os GPs da Itália, dia 16, dos Estados Unidos, 30, e do Japão, 14 de outubro. Diferentemente do brasileiro também, o piloto da McLaren reconhece que não terá a ajuda de ninguém para lutar pelo vice. "Como sempre", lembrou.Para Coulthard, se a McLaren terminar em segundo lugar entre os contrutores, sua vantagem seria ocupar o segundo box no circuito e não o terceiro. "Talvez o segundo seja um pouco maior, não sei", ironizou o escocês. A Ferrari definiu na Hungria o Mundial de equipes. Com 140 pontos diante de 72 da McLaren, não pode mais ser alcançada. A luta da McLaren agora é manter-se em segundo, já que a Williams está próxima, com 59.E o interesse do time de Frank Williams é tal nesse vice-campeonato, de pilotos e de construtores, que Ralf Schumacher, com 44 pontos, terá um novo carro na Bélgica. Os escapamentos, por exemplo, eliminam os gases do motor sobre a carroceria, como a Ferrari, e não mais sob o assoalho. Gavin Fisher e Geoff Willis, os projetistas da Williams, tiveram de modificar profundamente o modelo FW23-BMW para uma alteração dessas. "Agradeço a equipe por ter sido o escolhido para correr com o carro", disse Ralf. Apenas um ficou pronto para a etapa de Spa-Francorchamps e Juan Pablo Montoya acabou preterido. "Estamos antecipando já algumas soluções que teremos no carro de 2002", comentou Ralf.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.