Bruno Senna aprova desempenho após abandono

Apesar do abandono no final, Bruno Senna aprovou seu desempenho no GP de Cingapura neste domingo. O brasileiro ficou satisfeito com o ritmo de sua Williams e com as ultrapassagens que pôde fazer antes de deixar a prova a poucos segundos do fim, por problemas técnicos.

AE, Agência Estado

23 de setembro de 2012 | 15h29

"Considerando os problemas que tive, acho que fiz uma boa corrida. As primeiras voltas foram complicadas, mas pude fazer ultrapassagens e manter um bom ritmo", comentou o piloto, que enfrentou problemas com o câmbio no início da prova. Bruno chegou a disputar as primeiras voltas sem a primeira marcha.

Apesar das dificuldades, o brasileiro apostou em uma corrida longa, tumultuada, que poderia beneficiar quem chegasse até o fim. "Sabíamos que era uma daquelas corridas em que seria possível colher pontos se fôssemos até o fim. Infelizmente, não foi o caso. Quando restavam 16 voltas, comecei a ter problemas com o KERS e ficou difícil me defender, mas corrida é assim mesmo. Estou feliz com meu desempenho".

O brasileiro abandonou quando ocupava a 12ª colocação, perto da zona de pontuação. Uma falha, ainda não identificada no motor, fez com que abandonasse a corrida a poucos segundos do fim - a prova foi finalizada antes de completar as 61 voltas previstas por ter atingido o limite de duas horas de duração.

Antes do fim, Bruno se envolveu em uma manobra polêmica que quase tirou Felipe Massa da prova. Em uma disputa pela 9ª posição, o piloto da Williams jogou seu carro rapidamente para a esquerda, obrigando Massa a fazer desvio, antes de acertar o muro. Ao fim da corrida, Bruno lamentou o episódio e disse que cometeu um erro de julgamento na manobra, que chegou a ser avaliada pelos comissários da prova. Não houve punições.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1GP de CingapuraBruno Senna

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.