Divulgação
Divulgação

Bruno Senna reclama de preparação feita no videogame para o GP da Coreia do Sul

Ele diz que os pilotos das grandes se prepararam em simuladores modernos e ele não tem esta possibilidade

AE, Agência Estado

18 de outubro de 2010 | 13h43

Próxima etapa do calendário, o GP da Coreia do Sul será disputado pela primeira vez na Fórmula 1. Apesar de ser novidade para todos os pilotos, não deverá ser dessa vez que a diferença das equipes tradicionais para as novatas será reduzida - a prova acontece no domingo. Pelo menos é o que acredita Bruno Senna, da Hispania, que reclamou do modo como foi feita sua preparação para conhecer o circuito.

Veja também:

linkKubica diz usar YouTube na preparação

linkDe la Rosa negocia com equipe de Senna

"O fato de a pista ser novidade para todos não vai mudar coisa alguma. Não apenas porque o nível dos pilotos da Fórmula 1 é elevado, mas principalmente por causa da disparidade de forças. Os pilotos das grandes se prepararam para a prova em simuladores modernos. Eu fiquei em casa no fim de semana, treinando no videogame", contou Bruno Senna, que está em sua temporada de estreia na Fórmula 1.

Apesar da reclamação, o brasileiro afirmou que o "treino caseiro" foi importante e possibilitou a ele o conhecimento da pista sul-coreana. Mas Bruno Senna que sua equipe conviverá novamente nesta etapa com as dificuldades que vem enfrentando desde o início da temporada.

"É possível conhecer o traçado, saber para que lado viram as curvas, mas não é o mesmo que treinar no simulador, que reproduz as condições da pista com quase 100% de fidelidade. As três primeiras curvas são meio que um grampo. Depois é que começam as trocas rápidas de direção em curvas velozes. Não é o que o nosso carro gosta. Se o asfalto novinho for liso, menos mal. Se estiver ondulado, complicará ainda mais para nós", analisou o brasileiro.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1HispaniaBruno Senna

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.