Burti e Bernoldi chiam e Tarso vibra

Os pilotos brasileiros não tiveram muita sorte neste domingo no Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1. O melhor resultado foi o nono lugar de Tarso Marques, da Minardi. Rubens Barrichello, da Ferrari, bateu em Ralf Schumacher, da Williams enquanto Luciano Burti, da Jaguar, e Enrique Bernoldi, da Arrows, abandonaram a prova. "Nem sei mas acho que este é o meu melhor resultado. Foi um presente de Deus", declarou Tarso, que em 1997, em Silverstone, também ficou em nono lugar. O brasileiro, que completou a prova com um carro reserva, "mais pesado", também cruzou a linha de chegada na prova da Malásia, a segunda etapa da temporada, em 14.º Na estréia, na Austrália, abandonou na terceira volta.Depois da festa no box da Minardi - "um pódio para a equipe" -, Tarso observou que o maior obstáculo é o motor Ford, versão de 1998. "É muito fraco." Observou que falta também um orçamento maior para que se possa testar o carro com mais freqüência. A embreagem continua dando problema e a Minardi "escapa na frente, traseira e nos lados." "Sei que o nosso carro é muito inferior ao dos outros, a corrida foi importante para nós pelo resultado, mas não podemos parar. Muita coisa tem de ser ajustada." Por causa da adaptação do carro do companheiro, o espanhol, Fernando Alonso, Tarso tem problemas para ficar no cockpit que é pequeno para seu 1,77 metro. "Dói tudo, o ombro, as pernas e o joelho." Enquanto Tarso comemorava, Burti e Bernoldi lamentavam o resultado."Entrou água no motor por causa de um vazamento e ele quebrou. Foi uma pena porque estava fazendo uma boa prova, com chance de marcar pontos", disse Burti. Já o problema de Enrique Bernoldi foi o câmbio. "Ele travou na terceira marcha."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.