Button comemora pole e volta por cima da Brawn GP

O desempenho impressionante da Brawn GP neste início de temporada da Fórmula 1 tem deixado seus pilotos radiantes. Além do brasileiro Rubens Barrichello, que largará em segundo no GP da Austrália, na madrugada deste domingo, o inglês Jenson Button também comemorou muito a pole conquistada nos treinos deste sábado. A última vez que o piloto inglês largou na ponta foi justamente em Melbourne.

AE, Agencia Estado

28 de março de 2009 | 12h16

"É uma sensação incrível estar aqui depois de três anos, de novo na frente (sua pole anterior foi em 2006). Estou muito contente com o carro", disse Button, que também lembrou a volta por cima da ex-equipe Honda. "Os últimos quatro meses foram realmente difíceis para a escuderia. E ir de uma situação onde você nem sabe se vai correr para uma pole na primeira corrida da temporada é simplesmente incrível."

Além da dobradinha no grid de largada, a Brawn liderou as três etapas dos treinos de classificação. Barrichello foi o melhor na Q1 e na Q2, mas acabou sendo superado por Button no momento decisivo. Para o inglês, a pole foi uma consequência do desempenho melhor do carro. "O carro ficou melhor no Q3 e consegui acelerar para marcar o melhor tempo. Deu tudo certo", afirmou.

CONCORRENTE CAUTELOSO - Quem surpreendeu mais ainda que os pilotos da Brawn foi Sebastian Vettel, da Red Bull. O alemão conquistou a terceira posição no grid, mas não se arriscou a apostar numa vitória em Melbourne, já que considera complicado superar Button e Barrichello. "Estou otimista com a corrida, mas será dificílimo acompanhar o ritmo da Brawn", afirmou Vettel.

Sobre a colocação no treino, o piloto alemão creditou o bom desempenho a performance do carro da Red Bull. "Estou surpreso porque perdi dois treinos aqui (na Austrália). Um dia a culpa foi do carro, outro foi porque errei. Andei muito pouco. O primeiro dia que andei aqui foi hoje (sábado) e estou surpreso com a performance do carro, ter andado tão bem."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.