Button pede paciência e projeta 'grande passo' da McLaren em 2016

De volta ao palco onde se sagrou campeão mundial em 2009, Jenson Button não se deixa abalar pela decepcionante temporada da McLaren. Às vésperas do GP do Brasil de Fórmula 1, o piloto inglês pediu paciência aos torcedores nesta quinta-feira, no Autódromo de Interlagos, e afirmou que a equipe dará um "grande passo" no próximo ano.

FELIPE ROSA MENDES, Estadão Conteúdo

12 Novembro 2015 | 15h33

"Estamos tirando muitas lições nesta temporada. Aprendemos bastante com a nova unidade de potência, com a nova aerodinâmica porque tudo ficou muito diferente do que era uma McLaren normal", disse o inglês, referindo-se ao trabalho conjunto entre a equipe e a Honda, que voltou a fornecer motor para o time inglês neste ano. "É uma parceria ainda muito nova."

Neste primeiro ano de trabalho nesta nova edição da parceria entre McLaren e Honda, os resultados foram decepcionantes. Até agora a equipe somou apenas 27 pontos no Mundial de Construtores. Para efeito de comparação, é a mesma pontuação obtida somente pelo brasileiro Felipe Nasr, um dos estreantes do ano. A McLaren ocupa somente o nono lugar na tabela. Em 2014, foi a quinta melhor do ano, com 181 pontos.

Apesar disso, Button acredita que a equipe tem desempenhado boa performance ao longo da temporada. "Acho que estamos fazendo um bom trabalho. Estamos tirando o máximo do que temos, estamos maximizando o potencial do carro no momento", declarou o piloto, que somou pontos somente em quatro corridas até agora em 2015. "Mesmo vivendo momentos difíceis [na F1] a equipe não perdeu sua confiança."

Por isso, o inglês aposta que a McLaren dará um "grande passo" na próxima temporada, ao amadurecer a parceria com a Honda, que estava desatualizada ao passar os últimos anos afastada da F1. "Nós obviamente vamos dar um grande passo à frente no próximo ano. Temos certeza disso."

Antes disso, Button concentra sua atenção na corrida de São Paulo. Ciente das limitações do seu carro, ele espera novos obstáculos pela frente. Mas não desanima. "Não será um fim de semana fácil, mas com certeza será melhor que o último", disse, ao citar o 14º lugar no GP do México. "Estou ansioso e vamos tentar tirar o máximo do que temos, que é sempre o que fazemos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.