Diego Azubel/EFE
Diego Azubel/EFE

Button se acostuma rápido a ser o homem a ser batido na F-1

'É um pouco estranho como você consegue se acostumar em estar na frente', diz o líder do Mundial 2009

Nick Mulvenney, REUTERS

16 de abril de 2009 | 11h29

XANGAI - Jenson Button não precisou de muito tempo para se acostumar a ser o homem a ser batido na Fórmula 1, uma posição consolidada pela decisão da FIA na quarta-feira de autorizar os difusores traseiros usados por sua equipe, a Brawn GP.

Veja também:

tabela F-1: classificação do Mundial

especialConfira o calendário da temporada

especialESPECIAL: jogue o Desafio dos Pilotos

O britânico venceu as duas primeiras corridas da temporada na Austrália e Malásia, e, com o polêmico difusor agora fora de questão, Button está claramente confiante para o Grande Prêmio da China, no domingo.

"Foi bom termos deixado isso para trás, e agora nós podemos nos concentrar em nosso próprio trabalho", disse a jornalistas o piloto de 29 anos, nesta quinta-feira.

"Eu não esperava outro resultado, você fica obviamente um tanto quanto nervoso, mas não foi uma surpresa quando soube. Foi um pouco de alívio", acrescentou Button, que tem no companheiro de equipe Rubens Barrichello seu principal adversário nesse início de temporada.

Apesar de estar pela primeira vez em nove anos de carreira entre os favoritos para as corridas, Button disse que não havia perigo de ele ficar ansioso em relação ao cumprimento das expectativas.

"É um pouco estranho como você consegue se acostumar em estar na frente, mesmo após duas temporadas pobre. Isto se torna bastante normal, muito rapidamente", disse ele.

"Se eu correr no fim de semana e não vencer a corrida, será um pouco decepcionante, mas então você precisa pensar que são 17 corridas no campeonato", acrescentou.

"Se você ganhar algumas corridas e ficar decepcionado por terminar outras em segundo ou terceiro, ou mesmo um pouco pior, você não está com a mentalidade certa."

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Brawn GPJenson Button

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.