Calor assusta pilotos da Stock Car

O calor transformou-se num problema a mais para os pilotos que participam, neste fim de semana, da 10ª etapa do Brasileiro de Stock Car. A previsão é que a temperatura atinja 33 graus neste sábado, durante o treino que definirá o grid de largada, das 12h30 às 13h30. Além de provocar um desgaste físico maior nos pilotos - dentro do carro, a temperatura chega a 50 graus -, o calor reduz a aderência dos pneus à pista e também a potência dos motores dos carros, por causa do ar quente.Nos treinos livres desta sexta-feira, sob um calor de 32 graus (49 graus no asfalto), os pilotos puderam perceber que o desgaste vai ser grande. "Está um inferno dentro do carro e não há nada que possa ser feito para melhorar. O ar que entra no habitáculo é quente e não adianta nem levar líquidos, porque esquentam rapidamente??, disse o veterano Paulo Gomes.O carioca Duda Pamplona foi o mais rápido do dia no autódromo internacional de Curitiba, completando sua melhor volta em 1m24s618, com média de 157,71 km/h. O paulista Ingo Hoffmann, um dos pilotos que brigam pelo título da temporada (com 109 pontos, está em terceiro lugar na classificação), fez o segundo melhor tempo (1m24s838), com o paranaense David Muffato em terceiro (1m25s015) e o paulista Nonô Figueiredo em quarto (1m25s312). Nonô também, com 101 pontos, tem chances matemáticas de ser campeão.O paulista Chico Serra, líder do campeonato (137 pontos) ficou em 10º lugar no treino. O paulista Beto Giorgi, vice-líder (116), foi o sétimo nesta sexta-feira. Cacá Bueno, carioca que também está na luta pela taça (108), cravou o sexto tempo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.