Alessandro Bianchi/Reuters
Alessandro Bianchi/Reuters

Câmera acoplada ao capacete pode ter agravado acidente de Schumacher

Peritos suspeitam que equipamento de filmagem pode ter contribuído para o capacete rachar

O Estado de S. Paulo

16 de fevereiro de 2014 | 15h37

GRENOBLE - A câmera que o ex-piloto de Fórmula 1 Michael Schumacher levava no capacete no momento do seu acidente de esqui pode ter sido a grande responsável pelas lesões cerebrais sofridas. Segundo reportagem publicada neste domingo pelo jornal inglês The Telegraph, o objeto que registrava imagens da descida do alemão pela montanha é suspeito de ter enfraquecido a estrutura do capacete usado pelo alemão.

O heptacampeão mundial está internado em Grenoble, na França, desde o dia 29 de dezembro, quando sofreu um acidente enquanto esquiava na estação de Méribel. De acordo com o jornal, a câmera não sofreu danos com o impacto, enquanto o capacete rachou. "Por que ele se desintegrou no impacto? Aqui a câmera aparece na situação", disse à publicação uma fonte ligada ao caso.

O acidente tem sido investigado pela Escola Nacional de Esqui e Alpinismo de Chamonix (ENSA), que tem realizado testes para saber se realmente o objeto acoplado ao capacete teria condições de causar o estrago. Nesta segunda-feira o promotor do caso, Patrick Quincy, deve se pronunciar para a imprensa e a tendência é que ele exima de culpa a estação de esqui e confirme que os equipamentos usados pelo alemão eram de qualidade.

O último pronunciamento oficial dos investigadores foi no dia 8 de janeiro, quando explicaram que Schumacher se acidentou ao sair da área demarcada da pista e se chocar em uma pedra encoberta pela neve. Embora a câmera possa parecer culpada por ter exposto o crânio do ex-piloto ao impacto, os vídeos gravados por ela também tem ajudado a desvendar o caso.

Schumacher está desde o dia do acidente internado em coma induzido. Na última semana a família divulgou um comunicado sobre o estado de saúde do ex-piloto, que continua estável. Os médicos têm diminuído a carga de sedativos para tentar fazer o alemão aos poucos acordar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.