Capacete racha mas Moreno sai ileso

Logo no primeiro dia de treinos para as 500 Milhas de Michigan, nesta sexta-feira, um violento acidente já assustou a todos na Fórmula Indy. Na sessão da manhã, Roberto Moreno perdeu o controle da sua Patrick e bateu forte na proteção de pneus do circuito, um oval superspeedway em que os carros chegam a quase 400 km/h. O piloto brasileiro não sofreu nem um arranhão sequer, voltou para a pista à tarde e irá correr normalmente no domingo, a partir das 14h30 (horário de Brasília), quando acontece a 10a etapa do Mundial.A batida foi tão violenta que a parte interna do capacete de Moreno rachou e a viseira ficou destruída. No momento do acidente, o brasileiro estava passando entre os carros do canadense Patrick Carpentier e do escocês Dario Franchitti. "Quis aproveitar para treinar uma situação de corrida, com tráfego. Não sei se toquei em alguém ou o que aconteceu, mas o carro saiu de lado e perdi o controle", contou o veterano piloto do Brasil. Moreno tinha acabado de trocar de carro. Como o acerto do principal estava "muito bom" (ele tinha o quarto melhor tempo da manhã), a idéia era preparar o reserva. O problema foi quando a roda dianteira do seu carro tocou na traseira de Franchitti, na curva 2. O brasileiro perdeu o controle, rodou e foi parar na proteção de pneus. O impacto foi muito forte: "O que salvou a minha vida foi o hans (equipamento que protege o pescoço do piloto, prendendo-o ao capacete). A minha cabeça bateu com tudo, mas graças ao hans ela não virou de lado." Depois do acidente, o treino da manhã foi suspenso antes do final. Levado ao centro médico do circuito, Moreno logo foi liberado. "Está tudo bem comigo. Estou zerado", garantiu o piloto, que não pensou duas vezes na hora de voltar para a pista, na sessão da tarde. "Quando não acontece nada com o corpo da gente, então tudo bem. Você esquece o que aconteceu e parte para outra", explicou. Passado o susto, Moreno estava mais preocupado em manter o acerto da sua Patrick. Andando tranquilamente pelo circuito, ele parecia lembrar do acidente apenas quando encontrava algum outro piloto e tinha de contar o que acabara de acontecer na pista e que já estava tudo bem com ele. "O carro está realmente muito rápido. É difícil chegar aqui e já no primeiro dia ter essas condições. Vamos tentar aproveitar isso", disse o brasileiro no treino da tarde, como se, algumas horas antes, ele não tivesse escapado por pouco de sofrer algo mais grave.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.