Carros da Fórmula 1 retornam a Montmeló com incerteza sobre os pneus

Nos testes que terão início nesta sexta-feira, todas as equipes alternarão os pilotos

Efe

17 de fevereiro de 2011 | 18h14

BARCELONA - O circo da Formula 1 se instala neste fim de semana no Circuito da Catalunha, em Montmeló, com duas incertezas: uma do passado, sobre a adaptação aos novos pneus nos carros, e uma futura, com relação à situação política no Bahrein, país que será sede da primeira corrida do campeonato mundial da categoria.

As equipes presentes em Montmeló trabalharão nos quatro próximos dias, à espera de definições sobre o calendário, já que está previsto para o circuito do Bahrein os treinos entre os dias 3 e 5 de março, prévios ao início do campeonato no mesmo traçado uma semana depois.

Bahrein se transformou junto da Líbia, e depois do acontecido na Tunísia e no Egito, no novo polo de tensão social, onde os protestos arrastam milhares de cidadãos às ruas e geram conflitos entre manifestantes e forças da ordem.

Por este motivo, Barcelona se apresenta como a última oportunidade das equipes fazerem testes com os carros, depois dos rodízios de Jerez e Valencia.

De fato, em Montmeló os carros, além de trabalhar na aerodinâmica, vão testar os pneus Pirelli.

Nos dois primeiros contatos neste ano com os carros, as equipes e pilotos enfrentam um cenário incerto, provocado em parte pela própria FIA para "ganhar em espetáculo", como a excessiva degradação dos pneus, que nesta temporada serão da Pirelli, após anos de domínio da Bridgestone como fornecedor.

Nesta nova situação, com a mudança radical dos pneus, os pilotos expressaram motivações diversas, como o entusiasmo que gerou em Jenson Button (McLaren), quem acredita que as corridas serão mais apaixonantes e aumentará o espetáculo, frente a opiniões contrárias como a expressada pelo espanhol Fernando Alonso (Ferrari). Nos testes que terão início nesta sexta-feira, todas as equipes alternarão os pilotos.

Veja também:

linkCaos cancela GP2 Ásia no Bahrein e preocupa Fórmula 1

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.