Cart: Franchitti ganha e Da Matta é 2º

A vitória do escocês Dario Franchitti, da equipe Green, no GP de Montreal, neste domingo, no circuito Gilles Villeneuve, serviu para reforçar a distância entre os Indycars e os carros da Fórmula 1. Nem os motores turbo da Cart compensam os 200 quilos a mais. Desde os treinos de sexta-feira, na primeira comparação direta entre as duas categorias, os F1 sempre estiveram na frente. A média horária de Michael Schumacher, vencedor do GP do Canadá de F1, foi mais de 20 km/h superior a de Franchitti. Com o segundo lugar neste domingo, Cristiano da Matta segue líder do campeonato da Cart, aumentando sua vantagem em relação aos demais pilotos. Ele tem agora 161 pontos contra 106 de Franchitti. Outro brasileiro, Tony Kanaan, da Mo Nunn Racing, foi terceiro na corrida. Restam seis provas e 138 pontos ainda estão em jogo. Entre os outros pilotos do País na categoria, Christian Fittipaldi foi o 7º colocado e Bruno Junqueira abandonou a prova. A prova da Cart teve dez voltas a mais que o GP do Canadá da F1, disputado em 9 de junho. Enquanto o alemão Michael Schumacher, vencedor da prova com a Ferrari, completava 70 voltas em 1h33min36s111, Dario Franchitti precisou de quase oito minutos a mais para completar o mesmo percurso de 70 voltas: 1h41min34s366 (para completar as 80 do total, o escocês gastou 1h59min40s938). A diferença entre as médias horárias de Schumacher e Franchitti ficou de acordo com a expectativa dos organizadores: próximo de 20 km/h. Enquanto o alemão teve média de 195,682 km/h, o piloto da Cart andou por volta de 174,851 km/h. Franchitti também fez a melhor volta da prova: 1min20s238, média de 195,599 km/h. Mas, comparado à melhor volta da F1, de Juan Pablo Montoya (1min15s960, média de 206,682 km/h), a diferença é de quase cinco segundos. Somente dois pilotos que participaram da prova deste domingo já haviam corrido no mesmo circuito, utilizando um F1: o norte-americano Michael Andretti, com a McLaren, e o brasileiro Christian Fittipaldi, com a Arrows."Com um F-1 é preciso ser mais cuidadoso, porque não andamos tanto em cima de zebras e ondulações como na Cart. O Indycar é mais suave de dirigir nesse traçado", disse Christian "Você percebe claramente que o Indycar perde tempo principalmente nas freadas e retomadas de velocidade. Se levarmos em consideração os 200 quilos a mais, e por não termos a opção de um pneu mais macio, até que a variação de tempo é razoável. Por já ter andado de F1, tinha uma certa vantagem no treino provisório de sexta-feira. Como o traçado é fácil, em três, quatro voltas todos se acostumam", explicou Christian Fittipaldi. E foi assim durante o fim de semana inteiro. Na sexta-feira, a pole provisória de Da Matta, além de não chegar próximo ao tempo do colombiano Juan Pablo Montoya não o colocaria no grid de largada da F1. No sábado, os tempos da Cart baixaram, mas mesmo assim continuaram longe da cronometragem da F1. O mineiro Da Matta confirmou a pole registrando 1min18s959, com média de 198,773 km/h. Isto é: seis segundos a mais e 17 km/h mais lento que Montoya, pole com 1min12s836 e média de 215,547 km/h. Confira a classificação do GP de Montreal da Cart: 1º Dario Franchitti (ESC) - 1h59m40s938 2º Cristiano da Matta (BRA) - a 2s588 3º Tony Kanaan (BRA) - a 4s612 4º Paul Tracy (CAN) - a 6s266 5º Jimmy Vasser (EUA) - a 6s808 6º Michel Jourdain Jr. (MEX) - a 8s104 7º Christian Fittipaldi (BRA) - a 13s021 8º Michael Andretti (EUA) - a 13s503 9º Shinji Nakano (JAP) - a 1 volta 10º Scott Dixon (NZL) - a 3 voltas 11º Alex Tagliani (CAN) - a 3 voltas

Agencia Estado,

25 Agosto 2002 | 20h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.