Cart: GP de Miami empolga brasileiros

Os Indycars vão correr, outra vez, nas ruas de Miami. A prova será a 17ª do calendário da Cart, em 6 de outubro, intervalo entre as corridas de Lausitzring, na Alemanha, e a da Cidade do México. Com a confirmação do GP de Chicago, a temporada da categoria terá 20 provas. A primeira será neste domingo, em Monterrey, no México. "Perdemos o GP do Brasil, mas ganhamos uma corrida em nossa cidade", disse satisfeito o piloto Tony Kanaan. "Vai ser ótimo. Afinal aqui é minha segunda casa", completou Christian Fittipaldi. O anúncio oficial da corrida, nesta terça-feira, contou com a presença dos pilotos brasileiros que moram em Miami: Tony Kanaan, Christian Fittipaldi e Cristiano da Matta, além do italiano Max Papis e do espanhol Oriel Servia. Derek Walker, dono da equipe Walker, representou o presidente da Cart, Chris Pook. "A idéia é transformar a prova em evento de muito charme, como a F-1 em Mônaco", disse, empolgado, Peter Yanowitch, presidente da Raceworks, empresa promotora da prova em parceria com a Cart. A corrida terá como preliminar o GP das Américas, com os protótipos da ALMS - American Le Mans Series. Na apresentação, nesta terça-feira, representaram a ALMS o norte-americano Bryan Herta e o dinamarquês Jan Magnussen, ex-companheiro de Rubinho Barrichello na Stewart. "Vai ser um dia importante para o comércio e a vida da cidade", disse Yanowitch. Miami já teve corridas da Indy no Tamiami Park entre 1985 e 88 e uma corrida nas ruas do downtown em 95. Para Chris Pook, essa prova foi um marco no automobilismo dos Estados Unidos, "um dos maiores eventos do gênero já realizados na história da Cart". Depois, a partir de 96, já com a divisão entre Cart e IRL, a prova passou a ser disputada em Homestead, a cerca de 80 quilômetros da cidade. O novo traçado de rua passa pelo Bay Side, Hotel Intercontinental, Biscayne Boulevard e US-1, dentre outras avenidas da cidade. "É um traçado de baixa velocidade, com os problemas que todos os circuitos de rua têm, mas do ponto de vista promocional os promotores vão organizar um mega-evento. E isso é importante, hoje, para a categoria", disse Kanaan. O piloto brasileiro também comemorou a confirmação da corrida de Chicago, em 30 de junho, que os organizadores tinham cancelado no começo do ano. A Cart decidiu bancar sua realização. "Chicago é um mercado importante e atraiu um ótimo público desde que a prova começou a ser disputada. Para as equipes, isso foi ótimo", disse Kanaan. No árduo trabalho da Cart para recuperar o terreno perdido desde que a Penske anunciou que estava trocando a categoria pela IRL, Chris Pook também anunciou, recentemente, o contrato com as redes CBS, Fox e Speed Vision para a transmissão das 20 etapas da temporada. No Brasil, as corridas serão transmitidas pela TV Record, mas algumas irão em teipe, sempre às 18h de domingo. Christian Fittipaldi correu nas ruas de Miami em 1995 e compara: "Este tem mais retas do que o anterior. E inclui um trecho do traçado velho. Miami é uma grande cidade e precisava de uma prova dessas. E a Cart também busca mais promoção. Deu certo." Para o início do campeonato, no domingo, em Monterrey, os dois pilotos brasileiros estão cautelosos quanto ao uso do controle de tração que foi liberado pela Cart. Tony Kanaan, que corre com um Reynard/Honda pela equipe Mo Nunn, comenta: "A fábrica evoluiu, mas ainda não está no ponto ideal. Mas só saberemos ao certo depois do primeiro teste." A Honda adotou o recurso do corte de ignição para evitar que o carro derrape em determinados pontos do circuito. Christian Fittipaldi corre com um Lola/Toyota da equipe Newman Haas e também não acredita que a Toyota já possa oferecer o melhor do controle de tração: "Há coisas que ainda não foram bem testadas e outras que deverão ser modificadas." Embora a fábrica mantenha sigilo, comenta-se que a Toyota tenha optado pelo corte de combustível em vez do corte de ignição. Essas são as duas formas de se obter o controle de tração na pista. A maioria dos carros da Fórmula 1 utiliza o corte de ignição.

Agencia Estado,

05 Março 2002 | 20h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.