Cart tenta segurar a Penske na Indy

O presidente da Cart - Championship Auto Racing Teams - Joseph Heitzler - tem, nesta terça-feira, uma tarefa difícil: segurar a Penske na categoria em 2002. Roger Penske e Heiztler estarão juntos, em Las Vegas na entrega de prêmios da temporada. A Penske conquistou o 11º título da história, com o bicampeonato de Gil de Ferran. Mas, a partir do ano que vem, a equipe poderá correr apenas no campeonato da IRL - Indy Racing League. A Penske é a maior equipe da Cart, a que tem os melhores sultados.Além dos 11 títulos, soma 109 vitórias e 11 conquistas das 500 Milhas de Indianápolis. Criada em 69, com uma passagem pela Fórmula 1, entre 74 e 77, a Penske já teve entre seus pilotos Mario Andretti, Bobby Unser, Al Unser, Al Unser Jr., Émerson Fittipaldi, Rick Mears, Paul Tracy, Danny Sullivan e outros. Este ano disputou o campeonato com Gil de Ferran e Hélio Castro Neves.Roger passou a criticar a Cart quando a entidade decidiu cortar o oval de Michigan da próxima temporada. O dirigente americano sempre foi contra a substituição de circuitos ovais por mistos. Este ano, em maio, depois de fazer a dobradinha nas 500 Milhas de Indianápolis, com Hélio Castro Neves em primeiro e Gil, em segundo, Roger Penske admitiu que tinha interesse em montar uma equipe para correr na IRL em 2002, provavelmente com o mesmo equipamento utilizado nas 500 Milhas: chassi Dallara e motor Aurora ou Chevy. No decorrer da temporada, após Indianápolis, a Penske poderia passar a correr com os motores Toyota que estão chegando à IRL."Eu fiquei do lado da Cart quando a IRL foi criada e abandonei Indianápolis. Eu me arrependi. E não ganhei nada em troca. Foi um erro", disse Roger Penske.Duas versões - Agora há duas versões e Penske não confirma nenhuma delas. A primeira é que a equipe, simplesmente, anunciará sua saída e transferirá seus dois pilotos, Gil e Helinho, para a IRL. A segunda é que ele poderia manter uma equipe na Indy, com o patrocínio da Mobil, e outra na IRL, com patrocínio da Marlboro. A marca de cigarros quer competir outra vez nas 500 Milhas. Este ano, na vitória de Helinho, o logotipo da Marlboro estava encoberto por questões contratuais. Segundo acordo com o governo americano, o patrocínio de marcas de cigarro não pode ir além de uma única categoria."Eu vou sentir falta dos circuitos mistos e de rua se isso, realmente, acontecer. Mas, de qualquer forma, minha preocupação é trabalhar com a Penske. Esse é o meu objetivo. Irei para onde ela for", disse Gil de Ferran, sem confirmar a notícia.A Cart enfrentou muitos problemas, este ano, o que teria também contribuído para a possível saída de Roger Penske. Algumas provas, como o Rio e Texas Motor Speedway, foram canceladas. As corridas da Europa deixaram a desejar. A entidade não conseguiu fechar um acordo de televisão para toda a temporada enquanto a IRL, graças às 500 Milhas, vendeu as transmissões com facilidade. Este ano, segundo estatísticas das televisões americanas, as provas da IRL tiveram mais audiência do que as da Cart.A IRL, em 2002, correrá em mais três circuitos que já foram da Cart: Nazareth, Michigan e St. Louis. Além de Homestead, onde já teve este ano a sua prova de abertura. Roger Penske sempre teve predileção por estas pistas, destacando que a categoria americana sempre se deu melhor nas diversas modalidades de traçados ovais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.