Cart vive ameaça de extinção

Categoria que tem entre os seus campeões os brasileiros Emerson Fittipaldi, Gil de Ferran e Cristiano da Matta, a Cart está com o futuro ameaçado. Pelo menos é isso o que o responsável financeiro da entidade, Thomas Carter, disse nesta quarta-feira. Segundo ele, o grupo Open Wheel Racing Series (OWRS), formado por alguns donos de equipes, que no dia 19 decide se compra das ações da empresa (a Cart é uma sociedade de capital aberto), pode desistir da aquisição em função de alguns itens do acordo estarem pendentes - há incerteza, por exemplo, se o grid em 2004 terá pelo menos 18 carros. O não cumprimento desses itens tornaria o negócio inviável para o OWRS.Como esta é a única oferta que a Cart tem por sua ações, se o negócio naufragar a conseqüência seria o fim da competição. No entanto, a ameaça pode não passar de um blefe. Até porque, das equipes que disputaram o campeonato este ano (grids de 19 carros), a única dúvida no momento é em relação à continuidade do Team Johansson, já que o ex-piloto sueco Stefan Johansson, que era o principal sócio do time, desistiu do negócio por causa da enorme dívida contraída.Os comentários nos Estados Unidos são de que o OWRS já se decidiu pela compra das ações da empresa (a US$ 0,56 ação) e que o objetivo, agora, e fazer baixar o valor de alguns itens necessários para realizar o campeonato e que não entram na negociação com as ações. Exemplos: o preço dos chassis e o valor do leasing dos motores.Paul Gentilozzi, dono da equipe Rocketsports e sócio do OWRS, deu um indicativo disso ao dizer que o grupo propôs à Cart comprar os carros e repassá-los às equipes. Este ano, cada carro custou US$ 450 mil e a intenção é derrubar esse preço.No início da semana, a Cart anunciou o adiamento do início do campeonato de 2004, de 22 de feveireiro, em São Petersburgo, para 18 de maio, em Long Beach. Alegou que, assim, o OWRS teria mais tempo para preparar a competição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.