Caso Button-Williams pode ter desfecho

Até sexta-feira é aguardada uma definição judicial do caso Jenson Button-Williams. Ninguém mais acredita que ele permanecerá na BAR. A pressão de David Richards, da sua atual equipe, é apenas para receber uma bela indenização. A BAR não correspondeu ao que se esperava dela no GP da Bélgica. Curiosamente, seu chassi, 006-Honda, e o da Ferrari, F2004, são os mais eficientes da Fórmula 1 e nenhum venceu. A lógica sugeria que no circuito de Spa-Francorchamps iriam se impor em relação à concorrência. Ocorreu o contrário. Takuma Sato bateu ainda na largada e Jenson Button abandonou na 29ª volta quando era quarto. Explodiu o pneu traseiro direito. O comunicado da Michelin diz que a empresa investigará a causa do estouro de três pneus traseiros direitos, Button, David Coulthard, McLaren, e Juan Pablo Montoya, Williams, mas já adiantou que é o pneu que sofre maior esforço na pista. De qualquer forma, expôs os pilotos a elevados riscos. Vale lembrar que Ralf Schumacher quebrou duas vértebras pelo mesmo motivo em Indianápolis, embora fosse o traseiro esquerdo.

Agencia Estado,

29 Agosto 2004 | 18h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.