Chefão da Fórmula 1 ameaça Ferrari

Desta vez não parece ser nada teatral a ameaça dos dois principais dirigentes da Fórmula 1, Max Mosley, presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), e Bernie Ecclestone, promotor do Mundial, a equipe Ferrari. Nos últimos 20 anos os dois foram quase que os advogados de defesa e juízes bem condecendentes com a escuderia italiana, mas jogos de equipe, como o escândalo do GP da Áustria, não poderão mais ocorrer. "A partir de agora eles terão de ser bem cuidados com essas decisões", afirmou Ecclestone. Ainda que o texto das mudanças anunciadas segunda-feira não explique como a FIA controlará os jogos de equipes, primeiro Mosley e nesta quarta-feira Ecclestone deixaram claro que os casos suspeitos serão julgados pelos comissários desportivos. O que Mosley, como bom advogado que é, quis esclarecer é: hoje já existe uma proibição explícita com essa prática, o que não não ocorria no julgamento da própria Ferrari, em seguida ao que se passou na Áustria. "Não temos no que nos basear para punir a equipe", disse o presidente da FIA na época. Agora ele já tem, ainda que se trate de um texto vago, de um instrumento jurídico para punir quem submeter a Fórmula 1 a um desgaste como o criado pelos italianos. Portanto, Jean Todt e Ross Brawn, os homens que decidem na Ferrari, terão de ser criativos se eventualmente Rubens Barrichello estiver na frente de Michael Schumacher no fim de alguma corrida. "Não tenho dúvida de que haverá novas ordens desse tipo", disse Ecclestone. ?Se eu contasse no meu time dois pilotos lutando pelo título, a três provas do final do campeonato, tenho comigo várias idéias do que eles deveriam fazer." Mosley comentou nesta quarta-feira com a imprensa inglesa que já existem várias emissoras de TV interessadas em transmitir, ao vivo, o treino de sexta-feira. Essa sessão definirá a ordem de entrada na pista do piloto no dia seguinte, na tomada de tempos. O primeiro será o último a deixar o box, o que representa, em geral, uma vantagem. Todos terão apenas uma volta lançada, nos dois dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.