Chefe da BMW defende implantação do Kers em 2009

Mario Theissen critica pedidos de adiamento feitos pela Ferrari e McLaren, que questionam custo da tecnologia

Agencia Estado

22 de dezembro de 2008 | 15h46

Mario Theissen, chefe da equipe BMW, saiu em defesa da implantação do Kers (sistema de recuperação de energia cinética), nova tecnologia que será adotada no ano que vem pela Fórmula 1, que faz com que os resíduos gerados pela energia do carro nas frenagens seja convertida em potência adicional. A BMW foi a única equipe que vetou o adiamento da implementação. Ferrari e McLaren questionaram os custos do Kers e a equipe de Maranello reconheceu, na última semana, que está atrasada no desenvolvimento do sistema. "Os elevados custos são apenas um argumento contra o Kers. Por outro lado, o trabalho de desenvolvimento já foi feito, porque a implementação do Kers foi decidido há algum tempo", criticou, em entrevista para revista alemã Der Spiegel. Para Theissen, os pedidos de adiamento "denunciam uma falta de competitividade, mas também a relutância em exercer um grande papel".

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1BMWKersMario Theissen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.