André Pichette/EFE
André Pichette/EFE

Chefe da Ferrari diz que sua preferência é manter Massa

Nas últimas semanas, Raikkonen, Hulkenberg e Bianchi foram apontados como potenciais substitutos do brasileiro

AE, Agência Estado

28 de agosto de 2013 | 14h37

MARANELLO - As especulações sobre a possibilidade de Felipe Massa deixar a Ferrari após o encerramento da temporada 2013 da Fórmula 1 cresceram nas últimas semanas, ainda mais com os resultados ruins do brasileiro. Porém, nesta quarta-feira, Massa ganhou um importante apoio público. Chefe da equipe, Stefano Domenicali garantiu que gostaria de manter o brasileiro, que tem contrato apenas até o fim do ano, para o próximo campeonato.

"Não se esqueça, todo mundo quer pilotar pela Ferrari. Temos que esperar e ver. Minha escolha favorita seria, é claro, manter Felipe (Massa), porque ele é um cara muito bom, muito dedicado ao time", disse Domenicali, em entrevista ao site oficial da Fórmula 1.

Nas últimas semanas, Kimi Raikkonen, Nico Hulkenberg e Jules Bianchi foram apontados como potenciais substitutos de Massa. Domenicali, porém, também revelou que as opções disponíveis não o empolgam muito. "Quando você olha ao redor não há tantos pilotos para trocar que trariam resultados imediatos", disse o dirigente.

Após a disputa de 11 das 19 etapas da temporada 2013 da Fórmula 1, Massa ocupa apenas a sétima colocação no Mundial de Pilotos, com 67 pontos, e só subiu ao pódio uma vez, no GP da Espanha, em que ficou na terceira colocação. Assim, apesar dos elogios, Domenicali destacou que o brasileiro precisa melhorar o seu desempenho para merecer a renovação do contrato.

"Precisamos de bons resultados de Felipe, é por isso que não vamos correr, porque temos que tomar a decisão certa para a equipe. Assim que tivermos nossas convicções, vamos anunciar oficialmente para silenciar os rumores de uma vez por todas. Quando estivermos prontos", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.