Chefe da Ferrari elogia Massa e defende ajuda a Alonso

Punição forçada do brasileiro, que perdeu cinco colocações no grid, melhorou a posição de largada do companheiro

AE, Agência Estado

19 de novembro de 2012 | 11h53

AUSTIN - A Ferrari tomou uma decisão polêmica antes do GP dos Estados Unidos de Fórmula 1, ao forçar que Felipe Massa sofresse uma punição para perder cinco colocações no grid, o que melhorou a posição de largada de Fernando Alonso. Depois da corrida, realizada no domingo, em Austin, o chefe da equipe italiana, Stefano Domenicali, tratou de elogiar o piloto brasileiro pela postura no caso e defendeu a estratégia adotada para beneficiar o espanhol.

A estratégia da Ferrari acabou dando certo no recém-inaugurado circuito das Américas. Ao invés de largar na oitava posição, Alonso saiu em sétimo e pegou o lado limpo da pista - Massa caiu da sexta para a 11ª colocação no grid com a punição pela violação da caixa de câmbio. Logo na largada, o espanhol pulou para o quarto lugar, o que foi determinante para ele terminar a corrida em terceiro, mantendo as chances de ser campeão.

Depois da prova, Massa disse ter entendido a decisão da equipe em beneficiar Alonso, mas também revelou que não ficou muito feliz com essa história - o brasileiro, que terminou a prova em quarto lugar, acredita que poderia ter subido ao pódio se não tivesse perdido as cinco posições no grid. Domenicali, no entanto, tratou de explicar que os interesses da Ferrari estão acima de quaisquer interesses individuais dos pilotos.

"Foi uma decisão difícil, mas seguimos o mesmo espírito que sempre demonstramos, de que os interesses da equipe estão na frente dos interesses individuais", afirmou Domenicali, que aproveitou para elogiar a postura do brasileiro. "Foi a confirmação, apesar de não precisarmos dela, de que Felipe é um cara de equipe, que compartilha nossos valores e, por isso, faço questão de agradecê-lo publicamente. Gostaria de parabenizar o Felipe."

Agora, a Ferrari parte para a disputa do GP do Brasil, a última prova da temporada, no próximo domingo, em São Paulo, com chances de ser campeã. Alonso está na vice-liderança no campeonato, com uma diferença de 13 pontos para o alemão Sebastian Vettel (Red Bull), que ampliou sua vantagem na primeira posição após terminar a corrida dos Estados Unidos em segundo lugar - a vitória em Austin foi do inglês Lewis Hamilton, da McLaren.

"Vamos ao Brasil sabendo que tudo é possível. Quando você chega à última etapa lutando pelo título, você já atingiu alguma coisa importante", disse Domenicali. O dirigente da Ferrari aproveitou para parabenizar a Red Bull pelo título do Mundial de Construtores, conquista assegurada no último domingo, mas avisou que a sua equipe, com Alonso, vai impedir a "dobradinha" da rival com a vitória também entre os pilotos com Vettel.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1FerrariDomenicali

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.