Arquivo/AE
Arquivo/AE

Chefe da McLaren diz que lutou para segurar Hamilton

Whitmarsh revela que novo contrato só não foi assinado porque piloto fez muitas exigências

O Estado de S. Paulo

28 de setembro de 2012 | 11h10

WOKING - Anunciado nesta sexta-feira como novo piloto da Mercedes a partir da temporada de 2013 da Fórmula 1, Lewis Hamilton deixará a McLaren com o prestígio de quem já foi campeão mundial pela equipe em 2008 - e segue na briga pelo título de 2012 -, assim como um piloto que a escuderia lutou, sem sucesso, para segurá-lo. Pelo menos foi isso o que garantiu Martin Whitmarsh, diretor da escuderia, ao comentar a saída do inglês após o final do campeonato deste ano.

"Nos esforçamos para fazer uma boa oferta para Lewis, mas demoramos para assinar. Claramente não concordamos com os termos (propostos por Hamilton) e nos movemos para uma direção diferente", afirmou o dirigente, em entrevista ao canal de TV Sky Sports, na qual evitou culpar a empresa que gerencia a carreira do piloto, a XIX Entertainment, pelo fracasso nas últimas negociações para renovação de contrato.

"O fato é que Lewis é um grande piloto e tem de tomar suas decisões na vida. Tivemos muitas discussões com a XIX. Entramos em muitos detalhes e elaboramos contratos muito complexos. Negociamos muitas coisas, com muita liberdade dentro delas, e nossa oferta era muito boa sob o ponto de vista comercial", completou Whitmarsh.

O chefe da escuderia ainda fez questão de exaltar a importância de Hamilton para a McLaren, apesar da decisão do piloto de seguir a sua carreira fora da equipe inglesa a partir do próximo ano. "Gostaríamos de prestar nossos agradecimentos a Lewis Hamilton. Ele escreveu um grande capítulo de sua vida e de sua carreira conosco e foi, e sempre será, um bom membro de um exclusivo clube: o dos campeões mundiais da McLaren", enfatizou.

Ao mesmo tempo, Whitmarsh mostrou empolgação com a contratação do mexicano Sergio Pérez, que impressionou nesta temporada correndo pela Sauber e passará a correr pela McLaren a partir de 2013 como companheiro de equipe de Jenson Button.

"Suas performances em 2012 nos convenceram de que ele é uma perspectiva muito animadora para o futuro. Teve uma série de performances matadoras gigantes, um trio de pódios e uma brilhante volta mais rápida neste ano no GP de Mônaco, que mostraram que não falta nada a Sergio em termos de velocidade e empenho", elogiou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.