Heino Kalis / Reuters
Heino Kalis / Reuters

Chefe da McLaren prevê briga por pódio na temporada 2018 da F-1

Eric Boullier atribui fraco desempenho em 2017 à pouca potência dos motores Honda utlizados pela equipe

Estadão Conteúdo

13 de dezembro de 2017 | 13h14

O chefe da McLaren, Eric Boullier, afirmou nesta quarta-feira que a equipe inglesa deve brigar por pódios na temporada 2018 da Fórmula 1, após os avanços realizados no chassi e na aerodinâmica do modelo deste ano. Segundo ele, esta base será mantida para o próximo ano, quando a equipe passará a contar com motores Renault.

+ Chefe da McLaren prevê 'ano ocupado' para novo piloto de testes

+ Pirelli define pneus dos GPs da F-1 na Austrália, Bahrein e China

"Quando se olha o que conquistamos em termos de performance do carro, em relação ao chassi, sabemos que estamos de volta na briga pelo pódio, entre os primeiros", disse Boullier. "Para mim, isto é uma grande recompensa pelo que passamos nas circunstâncias mais difíceis."

O dirigente acredita que a McLaren só não se destacou neste ano por causa da fraca potência dos motores Honda. O ano atribulado, o terceiro seguido na parceria com a fabricante japonesa, levou ao fim do acordo entre as duas partes. Perto do fim do campeonato, a equipe inglesa anunciou a Renault como sua nova fornecedora.

Dos três anos da parceria com a Honda, a McLaren terminou na penúltima colocação do Mundial de Construtores em dois deles. Somente no ano passado houve algum avanço no motor. Para Boullier, apesar das dificuldades, o período com o trabalho em conjunto com a Honda rendeu lições.

"O lado positivo destes últimos três anos foi que a equipe se uniu ainda mais. Sofremos neste período, mas ninguém deixou a McLaren. Todo mundo sabia que voltaríamos a vencer novamente. Há uma grande confiança naquilo que estamos tentando alcançar. E por isso estamos evoluindo bastante no desenvolvimento do novo carro", afirmou o chefe de equipe.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Mclaren

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.