Chefe da McLaren vê 7 das 11 equipes da F1 em crise

Martin Whitmarsh, chefe da McLaren, afirmou que sete das atuais 11 equipes que compõem o grid da Fórmula 1 atualmente estão operando em "modo sobrevivência". O dirigente, que também é presidente da FOTA, a Associação das Equipes da F1, mostrou preocupação com o futuro das escuderias e apontou a existência de uma grande crise financeira na maior categoria do automobilismo mundial.

AE, Agência Estado

15 de fevereiro de 2013 | 10h57

O dirigente falou sobre o assunto em uma entrevista à rede inglesa BBC, publicada nesta sexta-feira, na qual projetou dificuldades para as escuderias nos próximos anos. "Estamos no mundo da publicidade e você precisa ver como funciona a publicidade ao redor do mundo. A lista de tarifas está baixa. Tomamos algumas medidas (na McLaren), mas, para alguns, será difícil", afirmou, se referindo ao fato de que vários contratos de publicidade, que rendiam fartas receitas ao times, foram cancelados ou revistos depois da crise econômica mundial de 2008. "O ambiente de negócios é difícil em todos os lugares, não só na F1", enfatizou.

Whitmarsh ainda destacou que será difícil para grande parte das equipes estabelecer "um modelo de negócio viável por muitos anos" na Fórmula 1. Ele acredita que as escuderias deveriam repartir de forma mais inteligente os lucros oriundos dos direitos comerciais da categoria, embora tenha elogiado Bernie Ecclestone, chefe da categoria, que administra as receitas da F1 ao lado do grupo CVC.

"Bernie tem feito um trabalho fantástico para os construtores (equipes). Podemos criticá-lo, mas ele fez um melhor trabalho do que nós. Ele tem mantido o dinheiro em nome de seus empregadores. Esse dinheiro apita o esporte e isso é profundamente frustrante para nós, mas é exatamente o que ele tenta fazer", afirmou o chefe da McLaren, antes de criticar mais diretamente a falta de competência das escuderias para angariar maiores lucros trabalhando de forma unida. "Se as equipes não se mostram suficientemente coesas para trabalhar em conjunto e assegurar uma fatia maior, elas têm que culpar a si mesmas".

MCLAREN É PREMIADA - Ao mesmo tempo em que mostra preocupação com o futuro financeiro das equipes da F1, Whitmarsh comemorou nesta sexta-feira o fato de a McLaren ter sido eleita vencedora de uma premiação ambiental criada pelo instituto da FIA (Federação Internacional de Automobilismo). A premiação faz parte de uma iniciativa mais ampla da entidade e seu instituto que tem o objetivo de avaliar e reduzir o impacto que o automobilismo tem sobre o meio ambiente.

"Estamos muito satisfeitos por receber este prêmio de excelência do Instituto FIA", afirmou Whitmarsh. "É ótimo que o esporte está incentivando aqueles que fazem parte dele para melhorar o seu desempenho ambiental e estamos entusiasmados para sermos os primeiros a alcançar o mais alto nível", completou.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1McLarenMartin Whitmarsh

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.