Eddie Keogh / Reuters
Eddie Keogh / Reuters

Chefe da Mercedes diz que temporada pode ser 'lendária' e exalta disputa acirrada

Toto Wolff aposta em GP imprevisível e emocionante no Azerbaijão

Estadão Conteúdo

24 de abril de 2018 | 11h38

A Fórmula 1 vive um equilíbrio raro e uma disputa intensa pelas vitórias na temporada 2018, algo que deve torná-la uma das mais celebradas da sua história. A avaliação do quão marcante deve ser o atual campeonato é de Toto Wolff, chefe da Mercedes, equipe que tem dominado os anos recentes da categoria, mas que ainda não conquistou vitórias após a realização de três provas nesta temporada.

+ Blog Conversa de Pista: 2km de reta para pensar no GP do Azerbaijão

+ FIA aumenta limite de combustível na F-1 para 2019 e indica mudanças para 2021

"A temporada de 2018 da Fórmula 1 será uma celebração de tudo o que amamos no automobilismo. Três equipes estão lutando ferozmente por vitórias. Temos testemunhado corridas emocionantes com ultrapassagens que nos fazem roer as unhas. Os carros de F-1 mais rápidos da história, impulsionados por alguns dos melhores pilotos que este esporte já viu. Até agora, este ano tem todos os ingredientes para ser uma das lendárias temporadas de F-1 - uma temporada que os fãs vão olhar para trás com sorrisos nos rostos nos próximos anos", afirmou o dirigente da Mercedes.

Às vésperas do início das atividades do GP do Azerbaijão, a Fórmula 1 teve, em 2018, dois vencedores de equipes diferentes - o alemão Sebastian Vettel ganhou as provas do Bahrein e da Austrália, enquanto o australiano Daniel Ricciardo, da Red Bull, triunfou na China. Isso deixa Vettel na ponta do campeonato, com 54 pontos, mas com vantagem pequena para os pilotos da Mercedes - o britânico Lewis Hamilton soma 45 e o finlandês Valtteri Bottas está com 40. Já o Mundial de Construtores tem a Mercedes à frente, com 85 pontos, mas apenas um a mais do que a Ferrari.

Assim, após dominar o campeonato entre 2013 e 2017, a Mercedes encara um cenário diferente em 2018, como reconhece Wolff. Ele vê as rivais Red Bull e Ferrari com motivação extra para acabar com o seu predomínio, mas garante ver os membros da sua equipe prontos para lidarem com esse novo cenário.

"Não são apenas os torcedores em casa ou na pista que estão animados, nós sentimos o mesmo. E sabemos que temos um enorme desafio em nossas mãos. No ano passado, estávamos em uma luta difícil com a Ferrari. No entanto, não foi nada comparado com a intensidade da batalha deste ano, tanto a Red Bull como a Ferrari farão tudo o que puderem para nos derrotar", afirmou Wolff.

Assim, o chefe da Mercedes aposta em mais um fim de semana de emoção e imprevisibilidade no GP do Azerbaijão, lembrando que a prova no circuito de Baku foi realizada nos dois anos anteriores em junho. A Mercedes venceu em 2016, quando a prova ainda era denominada como GP da Europa, com o alemão Nico Rosberg, mas no ano passado o triunfo foi de Ricciardo.

"Estamos indo para o fim de semana de corrida em Baku nos animados com essa imprevisibilidade. Será a primeira vez que o GP do Azerbaijão acontece em abril, com condições completamente diferentes dos anos anteriores, quando fomos ao Mar Cáspio em junho", comentou.

O primeiro treino livre para o GP do Azerbaijão vai ser disputado às 6 horas (de Brasília) desta sexta-feira. A largada para a corrida no domingo ocorrerá às 9h10.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Mercedes-BenzToto Wolff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.