Chefe da Williams livre de pena no caso Senna

A Corte Suprema da Itália confirmou nesta sexta-feira a isenção de pena contra o ex-diretor técnico da escuderia Williams Patrick Head, devido à prescrição do crime de homicídio involuntário pela morte do piloto Ayrton Senna.Senna morreu em 1.º de maio de 1994, durante o Grande Prêmio de Fórmula 1 de San Marino, no circuito italiano de Ímola. Seu Williams saiu da curva conhecida como Tamburello e se chocou contra um dos muros de proteção.A Corte Suprema confirmou assim a responsabilidade de Head no acidente que provocou a morte do tricampeão mundial, que já lhe havia sido atribuída pelo Tribunal de Apelação de Bolonha (Itália) em 27 de maio de 2005. Ele, no entanto, não foi condenado porque o crime já havia prescrito.A sentença do Supremo confirma a responsabilidade de Head nas "modificações mal desenhadas e mal executadas", que levaram à ruptura da barra de direção do carro de Senna.A Corte Suprema rejeitou assim o pedido do diretor técnico da Williams de ser absolvido por inexistência de negligência em vez de por prescrição de sua responsabilidade.Segundo a decisão judicial, "não emergem circunstâncias evidentes e totalmente incontestáveis dos atos que excluam a existência dos fatos ou de sua relevância penal".Em janeiro de 2003, o Supremo já havia se pronunciado sobre o caso da morte de Senna quando acolheu um recurso da Promotoria de Bolonha e anulou as absolvições dos envolvidos no julgamento da morte do brasileiro, por isso teve que repetir o processo em segunda instância.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.