Bradon Malone/Reuters
Bradon Malone/Reuters

Christian Horner projeta Red Bull com motor próprio: 'Cresceu demais para ser equipe cliente'

Ao fim da temporada de 2021, equipe austríaca não terá mais a Honda como fornecedora de motor

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2021 | 15h26

O chefe da equipe Red Bull, Christian Horner, vê sua escuderia com boas condições de fabricar o próprio motor, fato que deve ocorrer a partir de 2025, visto que a japonesa Honda, atual forncedora das unidades de potência para a equipe austríaca, deixará a categoria ao final da atual temporada.

Nas três temporadas subsequentes, a atual vice-campeã mundial de construtores contará com o sistema da fabricante japonesa e, então, introduzir a Red Bull Powertrains Limited, que deve desenvolver os novos motores da equipe.

"As aspirações desta equipe superam as de alguns dos atuais fornecedores. O que vivemos com a Honda foi uma parceria e um relacionamento fantásticos. É uma pena que chegue ao fim prematuro no final deste ano. Mas eu acho que isso realmente permite que a Red Bull assuma o controle de seu próprio futuro e destino, com esta mudança na unidade de potência e o estabelecimento desta empresa e compromisso", analisou Christian Horner.

Nas últimas semanas, a equipe austríaca, com o apoio das demais escuderias da Fórmula 1, conseguiu uma importante vitória com o congelamento do desenvolvimento de motores até a adoção de um novo regulamento para as unidades de potência. Essa decisão permitiu que a Red Bull seguisse confiante com o seu projeto na categoria máxima do automobilismo mundial. Caso contrário, o grupo austríaco pensaria novamente em deixar a Fórmula 1.

Há alguns anos, sem perspectivas de mudanças e melhora em seu desempenho, a Red Bull chegou a buscar grandes montadoras, como a Audi, para ceder seu espólio. Com novas alterações e maior equilíbrio entre as equipes, com a imposição de um teto de gastos, a escuderia foi dissuadida.

Caso não pudesse manter o uso da tecnologia da Honda nas próximas temporadas, a equipe austríaca estaria amparada pelo regulamento da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), que obriga a fornecedora com o menor número de clientes a equipá-la com sua unidade de potência. Com isso, a parceria com a Renault teria de ser reatada, uma vez que a montadora francesa, em 2021, fornece motores apenas para a sua equipe, a Alpine.

Quando chegou à Fórmula 1, em 2005, a Red Bull usou motores Cosworth; no ano seguinte, Ferrari. Durante 12 temporadas, entre 2007 e 2018, foi parceira da Renault, conquistando quatro títulos mundiais de construtores e de pilotos, com o alemão Sebastian Vettel. Após divergências com a fornecedora francesa, iniciou parceria com a Honda, chegando a um terceiro lugar em 2019 e ao vice-campeonato na temporada 2020.

A primeira corrida da temporada 2021 da Fórmula 1 está marcada para o dia 28 de março, em Sakhir, no Bahrein. A equipe austríaca contará com o holandês Max Verstappen e o mexicano Sergio Pérez em seu cockpit. O lançamento do carro da nova temporada será na próxima terça-feira, dia 23 de fevereiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.