Yuri Kochetkov/Reuters
Yuri Kochetkov/Reuters

Chuva no fim em Sochi ajuda, Hamilton ganha 100° GP da carreira e reassume liderança

Prova esteve nas mãos de Lando Norris, da McLaren, que acabou por entregar a vitória ao heptacampeão ao não trocar os pneus na chuva

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2021 | 10h55
Atualizado 26 de setembro de 2021 | 12h53

Lando Norris deixou escapar sua primeira vitória na Fórmula 1 pela teimosia. O jovem da McLaren optou por não trocar pneu quando a chuva desabou no fim do GP da Rússia e deixou a primeira posição de bandeja para Lewis Hamilton. O piloto da Mercedes ganhou seu 100° GP na Fórmula 1 e reassumiu a liderança do Mundial de Pilotos, dois pontos a mais que Max Verstappen, o segundo colocado após largar em último. Carlos Sainz completou o pódio.

Hamilton tem 246,5 pontos com a vitória em Sochi. Verstappen caiu para 244,5. Daqui duas semanas, as equipes voltam às pistas na Turquia. Foi a quinta troca entre inglês e holandês na liderança do Mundial.

"Queria agradecer à torcida. O clima não foi muito bom, mas a corrida foi maravilhosa. Demorou muito para chegar essa centésima vitória. Norris fez um trabalho maravilhoso e eu não conseguiria ultrapassá-lo na pista. A chuva ajudou", festejou Hamilton. "Estava chateado na noite passada pelos erros, mas estava motivado hoje e fiz um belo trabalho aqui hoje."

Depois da frustração no treino classificatório, com seus pilotos fora da primeira fila, a Mercedes optou pela troca do motor de Valtteri Bottas para jogar o piloto ao fim do pelotão para "marcar" Verstappen, também largando atrás pelo mesmo problema. O holandês era o 20°, com o finlandês em 16° no grid. Os cinco últimos trocaram o motor.

Com pista seca em Sochi, os pilotos se dividiram na opção dos pneus para a largada, entre intermediários e duros. Ninguém iniciou com os macios que definiu a pole position. Já na volta de aquecimento, Verstappen reclamava de problemas. A equipe disse que foi corrigido.

Com quase 900 metros se reta, a largada foi muito boa de Carlos Sainz, que assumiu a liderança com a Ferrari, e novamente com Hamilton deixando a desejar. O inglês caiu para sétimo, perdendo posições para Lance Stroll, Fernando Alonso e Daniel Ricciardo.

Com duas voltas, o inglês ultrapassou o espanhol. Lá atrás, a estratégia da Mercedes dava certo com Bottas em 14° segurando Verstappen, o 15°. A ordem era não deixar o holandês ganhar posições. A marcação durou só seis voltas, com a ultrapassagem sem reação do oponente.

Na frente, o pole position Norris recuperou a primeira posição com tranquila ultrapassagem sobre Sainz na volta 13. No mesmo momento, Verstappen já entrava na zona de classificação só assumir o 10° lugar.

Com o início das trocas de pneus, as McLarens assumiram as duas primeiras posições e Hamilton subiu para terceiro. Mas Verstappen 'voava' na pista e já figurava em sexto, marcando ainda o ponto extra de melhor volta. Depois de partir em último, o líder do Mundial de Pilotos já figurava somente seis segundos atrás do inglês.

Com 27 voltas, Hamilton e Verstappen entraram juntos nos boxes. O inglês caiu para nono e o holandês em 12°. Na frente, Norris passeava com 11 segundos de vantagem sobre Sergio Pérez. Com a parada do inglês, Pérez, Alonso e Leclerc figuravam na frente, mas sem parada. Norris caiu para quarto, com Hamilton em quinto, na briga real pela vitória.

Faltando 10 voltas, Hamilton entrou na briga de vez pela vitória com aproximação a Norris. Ultrapassado por Alonso, Verstappen caiu para sétimo, o que devolvia a liderança do Mundial de Pilotos para o inglês da Mercedes.

A chegada da chuva trouxe emoção nas última voltas. Norris errou e chegou a sair da pista. Hamilton colou, mas evitou correr riscos e segurou o ataque. Faltando 5 voltas a velocidade diminuiu na pista e as equipes se prepararam para trocas de pneus. Gasly rodou. Stroll bateu na proteção.

Hamilton optou por troca. Norris não quis entrar. O inglês voltou em segundo ainda, com 25 segundos atrás. A chuva apertou e o jovem líder acabou perdendo a vitória pela teimosia. O heptacampeão cruzou em primeiro e agora tem dois pontos a mais que Verstappen. O holandês saiu em 20° e cruzou em segundo, sendo o maior beneficiado na corrida.

Veja a classificação do GP da Rússia:

1º) Lewis Hamilton (GBR/Mercedes), a 1h30min41s001

2º) Max Verstappen (HOL/Red Bull), a 53s271

3º) Carlos Sainz (ESP/Ferrari), a 1min02s475

4º) Daniel Ricciardo (AUS/McLaren), a 1min05s607

5º) Valtteri Bottas (FIN/Mercedes), a 1min07s533

6º) Fernando Alonso (ESP/Alpine), a1min21s321 

7º) Lando Norris (GBR/McLaren), a 1min27s224 

8º) Kimi Raikkonen (FIN/Alfa Romeo), a 1min28s955

9º) Sergio Pérez (MEX/Red Bull), a 1min30s076

10º) George Russell (GBR/Williams) a 1min40s551

11º) Lance Stroll (CAN/Aston Martin), a 1min46s198

12º) Sebastian Vettel (ALE/Aston Martin), a uma volta

13º) Pierre Gasly (FRA/AlphaTauri), a uma volta

14º) Esteban Ocon (FRA/Alpine), a uma volta

15°) Charles Leclerc (MON/Ferrari), a uma volta

16º) Antonio Giovinazzi (ITA/Alfa Romeo), a uma volta

17º) Yuki Tsunoda (JAP/AlphatTauri), a uma volta

18°) Nikita Mazepin (RUS/Haas),  a duas voltas

Não completaram a prova:

Mick Schumacher (ALE/Haas)

Nicholas Latifi (CAN/Williams)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.