Werther Santana/Estadão
Pietro Fittipaldi vai ganhar chance de disputar prova pela Haas Werther Santana/Estadão

Pietro Fittipaldi vai ganhar chance de disputar prova pela Haas Werther Santana/Estadão

Veja o que ex-pilotos recomendam para a estreia de Pietro Fittipaldi na F-1

Substituto de Grosjean, brasileiro correrá neste domingo pela Haas após esperar pela oportunidade durante dois anos, mas ele não vai ser titular da escuderia em 2021

Ciro Campos , O Estado de S.Paulo

Atualizado

Pietro Fittipaldi vai ganhar chance de disputar prova pela Haas Werther Santana/Estadão

Aproveitar o circuito novo, ter calma para aprender os detalhes do carro e mostrar evolução no fim de semana. Foram essas sugestões que o Estadão ouviu de quatro ex-pilotos da Fórmula 1 para que o brasileiro Pietro Fittipaldi, da Haas, possa ter um bom desempenho na estreia, no próximo domingo. Após três anos o País voltará a ter um representante no grid e no GP do Sakhir o piloto de 24 anos terá uma rara oportunidade para mostrar talento.

A chance se abriu para Pietro porque o titular da Haas, Romain Grosjean, sofreu um grave acidente no último domingo e ainda se recupera de queimaduras nas mãos. Por isso, a escuderia selecionou o piloto de testes para substituto. A grande chance pode também ser a única, pois não está definido quem vai guiar na etapa seguinte (Abu Dabi) e é certo que a escuderia terá outros pilotos no grid para 2021. O russo Nikita Mazepin e o alemão Mick Schumacher foram contratados.

Portanto, Pietro terá ao mesmo tempo uma oportunidade excelente e raríssima. Os ex-pilotos procurados pela reportagem ressaltaram justamente a necessidade de o novato na categoria não pecar pelo excesso de vontade e cometer erros. Apesar da ansiedade para estrear, o importante será demonstrar regularidade e conseguir deixar uma boa impressão para o caso de uma nova vaga se abrir no futuro, mesmo que em outra equipe.

O roteiro de ser substituto às pressas foi vivido por Roberto Pupo Moreno várias vezes, mas uma delas foi a mais especial. Para o GP do Japão de 1990, a Benetton chamou o brasileiro para a vaga de Alessandro Nannini, que havia sido vítima de um acidente de helicóptero. Moreno fez uma ótima prova e chegou em segundo lugar em Suzuka ao utilizar um plano que pode ser útil também para Pietro.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Uma coisa importante é não querer mostrar resultado imediatamente. Você pode cometer um erro que pode ser muito custoso
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Roberto Pupo Moreno, Ex-piloto

"Uma coisa importante é não querer mostrar resultado imediatamente. Você pode cometer um erro que pode ser muito custoso. Eu procurei me adaptar ao carro nos treinos e entendi que era importante mostrar serviço na corrida, quando você já vai ter mais percepções", explicou o ex-piloto de 61 anos. A grande dificuldade dele com a Benetton foi entender o processo de freagem. O carro era bem mais potente do que o da Eurobrun, equipe pela qual guiava anteriormente.

O pódio em Suzuka fez o ex-piloto ser contratado pela nova escuderia. A chance que era para durar somente uma prova foi estendida. Em 2001, no Canadá, Ricardo Zonta ganhou uma vaga de última hora após o alemão Heinz-Harald Frentzen ter um problema. O brasileiro era o reserva da Jordan e avalia que o fundamental para quem está na fila da espera é ter se preparado. "O piloto reserva acompanha todos os procedimentos e as corridas, mas a responsabilidade de virar titular é grande e tem a ansiedade do momento. Como piloto profissional todos estão preparados para virar titular", explicou.

Primo de Pietro e ex-piloto da Fórmula 1 e Fórmula Indy, Christian Fittipaldi defende que uma boa prova no domingo será fundamental para abrir novas oportunidades. "O importante é fazer uma corrida sólida. Isso vai fazer as pessoas verem potencial nele. Não é sentar no carro e tentar marcar ponto, mas ter um progresso do começo ao fim", disse.

NOVA PISTA

Junto com Pietro, quem vai estrear na Fórmula 1 é o desenho do autódromo barenita. Em comparação à corrida que foi disputada no último domingo no mesmo local, a pista terá um desenho diferente, com menos curvas e em formato parecido a um oval. Cada volta terá menos de um minuto de duração. Por ser algo inovador, isso pode ser uma vantagem para Pietro. Todos os demais concorrentes estarão na mesma situação que ele, com a necessidade de aprender o traçado.

"O fato de todos eles estarem em uma pista diferente eu acho que minimiza um pouco a diferença do Pietro para os outros competidores. Hoje em dia todos fazem simuladores para se preparar, mas na dinâmica da corrida isso muda", explicou Christian. O primo de Pietro alerta, porém, que o principal desafio para o estreante será compensar o longo período sem disputar corridas. O novato não conseguiu competir em provas de outras categorias neste ano.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O fato de todos eles estarem em uma pista diferente eu acho que minimiza um pouco a diferença do Pietro para os outros competidores
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Christian Fittipaldi, Ex-piloto de Fórmula 1

Para Tarso Marques, outro com experiência na Fórmula 1 e na Indy, mesmo com tantas dificuldades em uma estreia, a nova pista pode ser uma aliada do brasileiro. "Se fosse um circuito em que só ele não tivesse andado, seria mais difícil. Então o circuito 'oval' pode ajudar a nivelar a disputa para todos. Mesmo com tantas dificuldades, ele tem de abraçar. Essa oportunidade não aparece toda hora", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Burti pede cautela com a estreia de Pietro: 'Precisamos não criar uma expectativa muito grande'

Comentarista e ex-piloto avalia chances do novo brasileiro da Fórmula 1 e se diz ansioso por ver Russell na Mercedes

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2020 | 13h09

O ex-piloto de Fórmula 1 e atual comentarista da Rede Globo Luciano Burti prevê que o brasileiro Pietro Fittipaldi deve ter uma missão complicada no próximo domingo, quando vai estrear na categoria no GP de Sakhir. Apesar de o País voltar a ter representante na categoria após três anos, Burti explicou ao Estadão que o novato chega à categoria sem ter as condições ideais à disposição.

"Precisamos ter muito cuidado e não criar uma expectativa muito grande em cima desta estreia. Nós sabemos que ele vai estar com o segundo pior carro do grid (Haas) e não treinou praticamente este ano. É difícil que consiga um bom resultado, mas é óbvio que é legal ter um piloto brasileiro lá novamente", disse Burti. A prova de domingo será realizada às 14h, com transmissão ao vivo pelo canal SporTV 2.

O piloto de 24 anos ganhou chance após o francês Romain Grosjean sofrer um grave acidente na etapa passada. Pietro não disputou provas nesta temporada, mas foi chamado pela escuderia por ser o piloto de testes há dois anos e por ter mostrado um bom trabalho nos testes. Ainda assim, segundo Burti, quando se trata de ir para a pista o desafio pode ser complicado para o novato.

"A região do pescoço, se o piloto não estiver treinado, sofre muito em um carro de Fórmula 1. Mas se eu pudesse dar um conselho, falaria para sentar com a equipe técnica, com o engenheiro do carro e vivenciar a fundo todos os procedimentos do fim de semana. Isso facilita quando se está no estresse dentro do carro para reagir bem", disse o comentarista.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Mas se eu pudesse dar um conselho, falaria para (o Pietro) sentar com a equipe técnica, com o engenheiro do carro e vivenciar a fundo todos os procedimentos do fim de semana
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Luciano Burti, Ex-piloto e comentarista

Curiosamente, Burti também estreou na Fórmula 1 em uma condição parecida. Em 2000 ele era piloto de testes da Jaguar e foi chamado às pressas para substituir Eddie Irvine no GP da Áustria. O titular sofreu uma crise de apendicite e coube ao substituto assumir o posto. "Na minha época se testava muito mais. Hoje em dia praticamente não tem teste durante a temporada. Eu treinava a cada duas semanas, por dois, três dias seguidos. Por outro lado, o Pietro está tendo pelo menos alguns dias para se preparar. Eu não conhecia a pista e comecei o fim de semana sem saber que ia correr. Foi tudo de surpresa", relembrou.

O comentarista também citou que está curioso para acompanhar o desempenho de George Russell na vaga de Lewis Hamilton na Mercedes. "Ele vai cair também de supetão no melhor carro do grid. Chance de chegar na corrida e surpreender com certeza tem, até pelo que já mostrou na Williams. Mas pensando tecnicamente, é uma corrida para o Bottas dominar e o Russell andar bem", explicou. O heptacampeão está fora da prova por ter testado positivo para a covid-19.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.