Max Rossi/ Reuters
Max Rossi/ Reuters

Com chance de faturar título no GP dos EUA, Mercedes mantém cautela

Hamilton poderá se sagrar tetracampeão se vencer a corrida em Austin e Vettel, da Ferrari, não passar da sexta colocação

Estadão Conteúdo

16 Outubro 2017 | 15h10

Apesar da chance de sacramentar o título do Mundial de Pilotos no fim de semana, a Mercedes mantém a cautela às vésperas do GP dos Estados Unidos de Fórmula 1. O piloto inglês Lewis Hamilton poderá se sagrar tetracampeão se vencer a corrida em Austin e se o alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, não passar da sexta colocação na prova de domingo.

+ Button elogia Hamilton e compara Alonso a Senna em autobiografia

"Ainda há quatro corridas e 100 pontos em disputa. Não podemos considerar que ganhamos nada", alertou o chefe da Mercedes, Toto Wolff. "Encaramos cada corrida com uma dose de ceticismo maior do que de pensamento positivo. Nosso foco está em garantir que somaremos cada ponto possível no fim de semana."

Wolff adota a cautela porque a Mercedes fez um início de campeonato abaixo do esperado e viu a Ferrari disparar no Mundial. No entanto, uma série de falhas e dificuldades vividas pela equipe italiana, somada ao que ele chama de "sorte", fizeram a Mercedes obter uma reviravolta na temporada.

"Estamos conseguindo muitos pontos nos dois campeonatos - Mundial de Pilotos e de Construtores. A sorte fez o seu papel, claro. E nos colocamos em boa posição para aproveitar o máximo das oportunidades que entraram no nosso caminho. Mas ninguém na equipe pode se esquecer dos desafios que temos pela frente", afirmou.

O chefe da equipe acredita que a boa fase é resultado das dificuldades vividas no início do ano. "Voltamos daquelas provas compreendendo melhor o nosso carro. Muito deste entendimento já está sendo aplicado nestas últimas corridas do ano e alguma coisa vai servir para o projeto do próximo ano."

O GP dos Estados Unidos terá início nesta sexta-feira, às 13 horas, com a realização do primeiro treino livre, no Circuito das Américas, em Austin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.