Leonhard Foeger|Reuters
  Leonhard Foeger|Reuters

  Leonhard Foeger|Reuters

Com 'maratona', F-1 testa seu 'novo normal' a partir desta sexta na Áustria

Categoria se prepara para encarar oito corridas somente nos próximos dez fins de semana

Felipe Rosa Mendes , O Estado de S.Paulo

Atualizado

  Leonhard Foeger|Reuters

Após seguidos impasses, indefinições e prejuízos, a Fórmula 1 abrirá a temporada 2020 nesta sexta-feira, com os primeiros treinos livres do GP da Áustria, às 6h e às 10h, pelo horário de Brasília. Nas duas sessões de atividades na pista no Circuito de Spielberg, a categoria vai colocar a prova o seu "novo normal", com adaptações e diversas restrições, para encarar uma "maratona" de oito corridas nos próximos dez finais de semana. 

Em razão da pandemia do novo coronavírus, equipes e pilotos já sabem que enfrentarão obstáculos em suas funções, mais limitadas e cheias de cuidados sanitários. Como acontece em outras modalidades esportivas, o uso de máscaras e de álcool em gel serão obrigação constante. Além disso, o famoso circo da F-1 será reduzido.

Pelos novos protocolos da competição, não haverá visitantes nem patrocinadores circulando pelo paddock. Cada equipe terá que fazer cortes para reduzir o número de pessoas nos boxes e nas áreas de hospitalidade, com limite de 80 por time. A presença de jornalistas também será minimizada. Os poucos presentes não terão acesso ao paddock ou ao pit lane.

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) exigiu que todos os funcionários das equipes assinassem o seu Código de Conduta. Pelas regras, eles não poderão ter contato com pessoal de outros times. Para os que têm acesso a paddock e pit lane, todos terão que ter exame negativo para covid-19. E serão submetidos a novos testes a cada cinco dias.

A preocupação para evitar aglomeração também prevê que as equipes não levem aos circuitos seus famosos motorhomes. Assim, equipes e pessoal devem usar a estrutura dos próprios autódromos para facilitar o cuidado com a transmissão.

O número reduzido de funcionários em cada equipe pode trazer consequências diretas para a pista. Com menos gente nos boxes, por conta do distanciamento social, os mecânicos vão enfrentar maior exigência e consequente cansaço. Erros poderão se tornar mais frequentes, afetando o resultado das corridas. Ações comuns nos boxes, como trocas de motor ou da caixa de câmbio, devem levar o dobro do tempo em comparação ao esquema tradicional.

"Vamos tentar fazer exercícios de respiração e pausas para manter a nossa equipe na melhor forma possível", diz o diretor esportivo da Ferrari, Laurent Mekies. "Nosso maior desafio será usar máscara o tempo todo. Uma coisa é trabalhar de máscara na fábrica, outra é atuar nos boxes ou na pista, com temperatura de 40 graus ou mais."

Para os pilotos, haverá uma dificuldade adicional: correr sem torcida. "Pilotar diante de arquibancadas vazias não será muito inspirador. Será um tanto solitário. Vamos sentir falta dos fãs", admite Lewis Hamilton. "Acho que será a temporada mais difícil para todos nós por causa destes tempos difíceis que estamos enfrentando e as mudanças que vamos ter que fazer."

Outras destas mudanças terão forte impacto nas tradições da categoria. A F-1 já avisou que não terá mais o desfile dos pilotos antes das provas, justamente para evitar aglomeração entre eles. O grid também deve ser afetado, com menos gente em torno de cada carro. Por fim, não haverá cerimônia no pódio. Mas haverá a entrega de troféus, com protocolo ainda não divulgado pela organização.

 

RISCOS

Apesar do risco constante de contaminação, as estratégias criadas pela F-1 para reduzir as chances de contágio podem ser bem-sucedidas, na avaliação do infectologista Jamal Suleiman. "Não existe nenhuma estratégia que impeça o contágio enquanto não tiver vacina. Mas os protocolos podem ajudar a minimizar o risco, caso das arquibancadas vazias e da redução de funcionários por equipe", disse o especialista, ao Estadão.

Para o profissional do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, a F-1 tem a vantagem de ser disputada ao ar livre e sem contato físico entre os atletas. "Isso porque não é um esporte de interação, ao contrário do futebol, que abriu fazendo testagem no meio da pandemia, o que é um escárnio."

Na sua avaliação, a testagem a cada cinco dias é uma saída eficiente. Mas explicou que o contágio mais frequente é por gotículas de saliva, que podem manter o vírus ativo por até 72 horas sobre superfícies, como aço e carbono, tão comuns no mundo da F-1. "Este tempo pode diminuir em ambiente mais aberto, como são os boxes."

Para Suleiman, o maior desafio da F-1 será manter o distanciamento social, principalmente em situações como a preparação do grid de largada. "As relações humanas não estão baseadas no distanciamento. E o distanciamento precisa ser treinado. Vai ser interessante ver como todos vão se comportar."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Temporada da Fórmula 1 será de poucas novidades nos carros

Custos da pandemia e indefinição no calendário fazem equipes terem pouco a mudar nos aspectos aerodinâmicos

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2020 | 05h00

Superado um tumultuado primeiro semestre fora das pistas, a Fórmula 1 terá poucas novidades em seus carros e equipes em comparação ao ano passado. O planejamento inicial da cúpula da categoria era focar nas profundas mudanças que pretendia fazer no campeonato em 2021. Mas estas alterações acabaram sendo adiadas devido à pandemia do novo coronavírus.

As raras novidades nos carros neste ano, portanto, eram uma forma de aliviar o planejamento e os custos das equipes, que vão correr nesta temporada agora sem saber como será a próxima. Em função das seguidas mudanças no calendário, é possível que a competição deste ano se estenda até janeiro, o que atingiria em cheio a temporada 2021.

Visivelmente, no campeonato a ser aberto nesta sexta-feira, será possível perceber o retorno das barbatanas na parte final de cada carro, antes do aerofólio. Será neste trecho onde ficará o número para a identificação do piloto diante do público. Haverá mudanças sutis também na asa dianteira para evitar pneus furados na disputa entre os monopostos.

A F-1 também estabeleceu que os pilotos terão maior controle sobre o carro. Na largada, por exemplo, eles ficarão responsáveis por 90% do torque do motor, reduzindo o apoio recebido dos técnicos nos boxes. Outra novidade será uma postura mais leve nas punições, que deverão ser amenizadas nesta temporada.

Além disso, para reduzir custos, a categoria já contou com uma pré-temporada reduzida. Passou de oito para apenas seis dias de atividades na pista. Os testes coletivos ao longo do ano foram cortados. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.