Com reajuste, pilotos não assinam licenças na F-1

Os pilotos da Fórmula 1 não assinaram as suas licenças para esta temporada. Eles não concordaram com o aumento do valor do documento. A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) fez um reajuste de 400 euros pela super-licença. O aumento, de 10 mil para 10.400 euros, foi realizado para cobrir os custos de seguro, de acordo com a FIA. A organização já havia reajustado o valor da super-licença em mais de 500% na temporada passada. A FIA também aumentou os valores dos pontos conquistados pelos pilotos no campeonato. Cada ponto passará de 100 para 2.100 euros. Com essas alterações, o piloto inglês Lewis Hamilton, atual campeão da categoria, terá que desembolsar quase 220 mil euros para participar da competição. A associação dos pilotos informou que avaliará a situação no próximo mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.